Transformações na trajetória dos sistemas agroflorestais no município de Irituia – PA

Autores

Palavras-chave:

agricultura familiar, conhecimentos tradicionais, contexto agrário, práticas agroecológicas, sistema de produção

Resumo

Em zonas de colonização antiga da Amazônia, como o Nordeste do Pará, os sistemas de produção agrícola, baseados principalmente em cultivos anuais em sistemas de corte e queima, enfrentam desafios para se manter. Nesse contexto, atores estão promovendo Sistemas Agroflorestais (SAF) para viabilizar a restauração das áreas degradadas, geração de renda e soberania alimentar das famílias agrícolas. Essa transição requer a transformação de todo o sistema agrário. Neste artigo objetiva-se identificar os eventos históricos e as mudanças nos fatores externos ao sistema de produção que condicionaram as transformações para a introdução/modificação dos SAF em Irituia –PA. Utilizou-se a abordagem sistêmica, entrevistas históricas, questionários, análise documental e análise de paisagem. Os incentivos públicos locais foram os principais precursores da consolidação dos SAFs dentro dos sistemas de produção familiares. Com essas iniciativas, que proporcionaram mudanças estruturais multiescalares, a trajetória dos sistemas de produção indica uma perspectiva diferenciada, com incremento de sustentabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Layse de Nazaré Gonzaga Braga, Universidade Federal do Pará, Belém, Brasil

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal Rural da Amazônia (2015), sendo bolsista Cnpq e Fapespa durante a maior parte da vida acadêmica. Foi técnica do Núcleo de Estudos em Agroecologia (NEA)-campus Paragominas e Tomé Açu em 2016-2017. É mestre em Agricultura Familiar e Desenvolvimento Sustentável pela Universidade Federal do Pará, na ocasião também se tornou membro do Projeto REFLORAMAZ. Tem experiência na área de Agronomia, atuando principalmente nos seguintes temas: agroecologia, agricultura familiar, Economia Rural, restauração de áreas degradadas, trajetórias, sistema de produção, sistemas agroflorestais, estresse e conforto térmico animal.

Lívia de Freitas Navegantes-Alves, Universidade Federal do Pará, Belém, Brasil

Docente do Instituto Amazônico de Agriculturas Familiares (INEAF), Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Brasil. Engenheira Agrônoma pela Universidade Federal Rural da Amazônia (1993), mestra em Ciência Animal pela Universidade Federal do Pará (1999) e doutora em Agroecossistemas - SUPAGRO (Montpellier - França, 2011). Docente permanente do Programa de Pós-graduação em Agriculturas Amazônicas. Pesquisadora Associada da rede Strategic Monitoring of South-American Regional Transformation. Experiência na área de agronomia em uma perspectiva sistêmica, atuando principalmente nos seguintes temas: práticas agrícolas, sistemas de produção amazônicos, agroecossistemas amazônicos, agricultura familiar e desenvolvimento sustentável.

Emilie Suzanne Coudel, Centre de Coopération Internationale en Recherche Agronomique pour le Développement, Montpellier, França.

Pesquisadora do Centre de Coopération Internationale en Recherche Agronomique pour le Développement (Cirad), Montpellier, França. Engenheira agrônoma, possui um doutorado em Economia Rural - Montpellier SupAgro (2009). Atualmente acolhida pela EMBRAPA Amazônia Oriental e colaboradora do Centro de Desenvolvimento Sustentável (CDS) da Universidade de Brasília. Estuda quais são as percepções pelos atores rurais das políticas ambientais e quais novas regras e estratégias eles constroem em relação a essas mudanças políticas (Código Florestal, Município Verde, Pagamentos por Serviços Ambientais, Plano de Recuperação Ambiental). Tem experiência na área de empoderamento e capacitação de agricultores familiares, com ênfase na gestão ambiental, e no incentivo à participação destes agricultores nos processos políticos, em particular de desenvolvimento territorial. Desde 2016, está coordenando junto com IRD e UNB o projeto Odyssea (Observatório das Dinâmicas Socio-Ambientais na Amazônia), com intuito de constituir uma rede de pesquisadores para apoiar as ações e políticas que visam a adaptação das populações na Amazônia.

Referências

ACKOFF, R. L. Creating de Corporate Future. [s.l.]: John Willey e Sons, 1981.

ALMEIDA, A. S. Percepção de serviços ecossistêmicos por agricultores familiares na Amazônia Oriental: subsídios para a restauração florestal. 2019. 62 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Pará, Museu Paraense Emílio Goeldi, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Belém, 2019.

ARAÚJO, I. F. A Participação dos agricultores na construção do proambiente: uma reflexão a partir do polo transamazônica. 2007. 150 f. dissertação (Mestrado em Agricultura Familiar e Desenvolvimento Sustentável) – Programa de Pós-Graduação em Agriculturas Amazônicas, Universidade Federal do Pará.

BALDIN, N; MUNHOZ, E. M. B. SNOWBALL. Bola de neve: Uma Técnica Metodológica para Pesquisa em Educação Ambiental Comunitária. In: Congresso Nacional de Educação, 10., 2011, Curitiba, PR. Anais... Curitiba: Educere, 2011. p. 329-241.

BARBOSA, M. J. de S. et al. Território Nordeste Paraense: desenvolvimento sustentável e gestão estratégica dos territórios rurais no Estado do Pará. Belém: UFPA/MDA, 2011. 67 p.

BARROS, A. V. L. de et al. Evolução dos sistemas agroflorestais desenvolvidos pelos agricultores nipo-brasileiros do município de Tomé-Açu, Pará. In: Congresso Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, 48., 2010, Campo Grande, MS. Anais... Campo Grande: SOBER, 2010. p. 1-22.

BRASIL, Programa Nacional de Alimentação Escolar, 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l11947.htm>. Acesso em: 21 set. 2018.

CARNEIRO, R. V. Experiências de recuperação florestal praticadas por agricultores familiares do Nordeste do Pará. 2018. 120 f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Familiar e Desenvolvimento Sustentável) – Instituto Amazônico de Agriculturas Familiares, Universidade Federal do Pará.

CORDEIRO, I. M. C. C.; ARBAGE, M. J. C.; SCHWARTZ, G. Nordeste do Pará: configuração atual e aspectos identitários. In: CORDEIRO, I. M. C. C. et al. (Orgs.). Nordeste Paraense: panorama geral e uso sustentável das florestas secundárias. Belém: Edufra, 2017, p. 19-58.

FREITAS, A. C. R. A crise ecológica dos sistemas de cultivo “corte e queima” na microrregião da Pré-Amazônia maranhense. Paper do Naea, n. 136, p. 1-22, mar. 2000.

GARCEZ, J. L. A. DA F.; FRAXE T. de J. P. Sociedade e ambiente: a interação ribeirinha no médio Solimões como estratégia para a sustentabilidade social. In: Encontro Anppas, 5., 2010, Florianópolis, SC. Anais... Florianópolis: Anppas, 2010. p. 1-9.

GARCIA FILHO, D. P. Guia Metodológico de Análise Diagnóstico de Sistemas Agrários. Brasília: Incra/FAO, 1999.

GODELIER, M. Racionalidade e irracionalidade da economia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1980. 397 p.

HURTIENNE, T. Agricultura familiar e desenvolvimento rural sustentável na Amazônia. Novos Cadernos Naea, v. 8, n. 1, p. 71, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/cidadesat>. 2010. Acesso em: 4 nov. 2018.

KATO, O. R. et al. Desenvolvimento da produção de frutas em sistemas agroflorestais no estado do Pará. In: Congresso Brasileiro de Fruticultura, 22., 2012, Bento Gonçalves. Anais... Bento Gonçalves: SBF, 2012. p. 1-14.

LEFF, E. Complexidade, Interdisciplinar e Saber Ambiental. In: PHILIPPI, A. Jr. et al. Interdisciplinaridade em ciências ambientais. São Paulo: Signus Editora, 2000.

LONG, N. Development sociology: actor perspectives. Londres e Nova York: Routlege, 2001. 293 p.

MEDEIROS, M.; MARQUES, F. C. Interfaces e transformações de práticas e conhecimentos na agricultura: um ensaio bibliográfico sobre a emergência das novidades. Revista IDeAS, v. 5, n. 1, p.66-90, 2011.

MELO JÚNIOR, J. G. de; KATO, O. R.; FAÇANHA, T. P. Utilização de sistemas agroflorestais enquanto estratégia socioeconômica em uma comunidade rural da Amazônia paraense. Cadernos de Agroecologia, v. 10, n. 3, p. 1-6, maio 2016.

MIGUEL, L. A. Abordagem sistêmica da Unidade de Produção agrícola. In: Wagner S. A. et al. (Org.). Gestão e planejamento de unidades de produção agrícola. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2010.

MIRANDA, S. B.; KATO, O. R.; SABLAYROLLES, M. das G. Caracterização e importância dos quintais agroflorestais aos agricultores familiares do Baixo Irituia, Pará. Cadernos de Agroecologia, v. 8, n. 2, p. 1-4, nov. 2013.

MORAES, M. H. C. da S. Agrobiodiversidade dos quintais e socioeconomia dos agroecossistemas familiares da Cooperativa D’Irituia, Pará, Brasil. 2017. 189 f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Familiar e Desenvolvimento Sustentável) – Programa de Pós-Graduação em Agriculturas Amazônicas, Universidade Federal do Pará.

MORÁN, E. F. Ecologia humana das populações da Amazônia. Rio de Janeiro: Vozes, 1990.

Nair, P. K. R. An introduction to agroforestry. Icraf Library of Congress Cataloging-in-Publication Data: Springer Science & Business Media, 1993.

NASCIMENTO, D. R. do; ALVES, L. N.; SOUZA, M. L. Implantação de sistemas agroflorestais para a recuperação de áreas de preservação permanente em propriedades familiares rurais da região da Transamazônica, Pará. Agricultura familiar: pesquisa, formação e desenvolvimento, Belém, v. 13, n. 2, p. 103-120, 2019.

NAVEGANTES-ALVES, L. et al. Transformações nas práticas de criação de bovinos mediante a evolução da fronteira agrária no Sudeste do Pará. Cadernos de Ciência e Tecnologia, v. 1, n. 29, p. 243-268, 2012.

OLIVEIRA, J. S. R. Uso do território, experiências inovadoras e sustentabilidade: um estudo em unidades de produção familiares de agricultores/as na área de abrangência do Programa Proambiente, Nordeste Paraense. 2006. 131 f. Dissertação (Mestrado em Agricultura Familiar e Desenvolvimento Sustentável) – Núcleo de Estudos em Agricultura Familiar, Universidade Federal do Pará.

OLIVEIRA, J. S. R. de; KATO, O. R.; ROMANO, E. S. L. A institucionalização da Agroecologia no município de Irituia – PA, Amazônia Oriental Brasileira. In: Congresso Latino-Americano de Agroecologia, 5., 2015, Argentina. Anais... Argentina: Embrapa Amazônia Oriental (CPATU), 2015. p. 1-4.

OLIVEIRA, M. C. C. Agricultura familiar e dinâmicas das relações sociedade-natureza em área de fronteira agrária na Amazônia oriental. 2009. 305 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural) – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

PEDROSO JÚNIOR, N. N.; MURRIETA, R. S. S.; ADAMS, C. A agricultura de corte e queima: um sistema em transformação. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 3, n. 2, p. 153-174, 2008.

RAYNAUT, C. O desenvolvimento e as lógicas da mudança: a necessidade de uma abordagem holística. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 1, p. 81-104, 1994.

REGO, A. K. C.; KATO, O. R. Agricultura de corte e queima e as alternativas agroecológicas na Amazônia. Novos Cadernos Naea, v. 20, n. 3, p. 1-22, 2017.

RESQUE, A. G. L. et al. Agrobiodiversity and public food procurement programs in Brazil: influence of local stakeholders in configuring green mediated markets. Sustainability, v. 11, n. 5, 1425, p. 1-22, 2019.

SABOURIN, E. Aprendizagem coletiva e construção social do saber local: o caso da inovação na agricultura familiar da Paraíba. Estudos Sociedade e Agricultura, n. 16, p. 37-61, 2001.

SÁ-SILVA, J. R.; ALMEIDA, C. D.; GUINDANI, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História e Ciências Sociais, v. 1, n. 1, p. 1-15, jun. 2009.

SERRÃO, E. A. S.; NEPSTAD, D.; WALKER, R. Upland agricultural and forestry development in the Amazon: sustainability, criticality and resilience. Ecological Economics, v. 18, n. 1, p. 3-13, 1996.

VASCONCELOS, M. A. M. Assessoria técnica e estratégias de agricultores familiares na perspectiva da transição agroecológica: Uma Análise a partir do Polo Rio Capim do Programa Proambiente no Nordeste Paraense. 2008. 220 f. Dissertação (Mestrado em Agriculturas Familiares e Desenvolvimento Sustentável) – Programa de Pós-Graduação em Agriculturas Amazônicas, Universidade Federal do Pará.

VIEIRA, I. C. G.; TOLEDO, P. M. de; ALMEIDA, A. Análise das modificações da paisagem da Região Bragantina no Pará: integrando diferentes escalas de Tempo. Ciência e Cultura, v. 59, n. 3, p. 27-30, 2007.

WITKOSKI, A. C. Floresta de trabalho: os camponeses amazônicos de várzea e as formas de uso de seus recursos naturais. In: Encontro da Anppas, 2., 2004, Indaiatuba, SP. Anais... Indaiatuba: Ambiente e Sociedade, 2004. p. 1-30.

Downloads

Publicado

29-12-2020