Vozes Rurais: a racionalidade nos sistemas agroflorestais do sul do Brasil

Autores

Palavras-chave:

SAF, Restauração Ecológica, Agricultura Familiar, Agricultores, Agroecologia

Resumo

O Sistema Agroflorestal (SAF) ou Agrofloresta possibilita aliar agricultura à conservação ambiental. Conhecer as motivações de agricultores em redesenhar unidades produtivas por meio de SAFs contribuirá para embasar políticas públicas, programas e projetos relacionados. Portanto, com a finalidade de compreender a racionalidade que motiva os agricultores a optarem pelo desenvolvimento de SAFs em suas propriedades, foram entrevistadas dez famílias de agricultores com experiência agroflorestal na Serra dos Tapes, no sul do Rio Grande do Sul, Brasil. As entrevistas foram semiestruturadas, com o objetivo de identificar as motivações que levaram as famílias a se dedicarem às agroflorestas e relacionar estas motivações aos conceitos de racionalidade instrumental e substantiva. Concluímos que os SAFs não são a principal fonte de renda agrícola das famílias entrevistadas, reservando ao sistema um papel mais importante no âmbito ecológico, uma vez que a maioria dos agricultores optou pela agrofloresta a fim de restaurar os agroecossistemas degradados, além de produzir alimentos limpos para autoconsumo, porém, o retorno econômico também é esperado. Os agricultores agroflorestais valorizam as boas práticas agrícolas e enxergam na agrofloresta uma alternativa na busca da segurança alimentar e nutricional, geração de renda e conservação dos agroecossistemas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Beatriz Devantier Henzel, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas-RS, Brasil

Bióloga pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) (2019). Administradora pela UFPel (2007). Integra o Grupo de Restauração e Manejo da Vegetação Nativa, na Embrapa Clima Temperado. Mestranda no PPG em Sistemas de Produção Agrícola Familiar da UFPel. Bolsista do CNPq.

Ernestino de Souza Gomes Guarino, Embrapa Clima Temperado, Pelotas-RS, Brasil

Engenheiro Florestal pela Universidade de Brasília (UnB) (2001). Mestrado em Ecologia pela UnB (2004). Doutorado em Botânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2010). Pesquisador na Embrapa Clima Temperado.

Alberi Noronha, Embrapa Clima Temperado, Pelotas-RS, Brasil

Engenheiro Agrônomo pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (1994). Especialização em Administração e Desenvolvimento Rural pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (1998). Analista na Embrapa Clima Temperado.

Gustavo Crizel Gomes, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas-RS, Brasil

Engenheiro Agrônomo pela Universidade Federal de Pelotas (2006). Mestrado e Doutorado em Agronomia, (PPG - Sistemas de Produção Agrícola Familiar - UFPel). Pós-Doutorado em Recursos Genéticos (PNPD/CNPq).

Adalberto Koiti Miura, Embrapa Clima Temperado, Pelotas-RS, Brasil

Biólogo pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1992). Mestrado em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Paraná (1999). Doutorado em Sensoriamento Remoto pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (2012). Pesquisador na Embrapa Clima Temperado.

Referências

ABDO, M. T. V. N.; VALERI, S. V.; MARTINS, A. L. M. Sistemas agroflorestais e agricultura familiar: uma parceria interessante. Revista Tecnologia & Inovação Agropecuária, v. 1, n. 2, p. 50-59, 2009

ALCÂNTARA, L. C. S.; SAMPAIO, C. A. C. Indicadores de Bem Viver: pela valorização de identidades culturais. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 53, p. 78-101, 2020.

ALMEIDA, R; HAYASHI, C. R. M. Avaliação empírica de um instrumento de pesquisa socioambiental: a relevância do diagnóstico participativo. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 53, p. 5-24, 2020.

ATLAS Socioeconômico do Rio Grande do Sul. O Rio Grande do Sul é o maior produtor de fumo em folha do Brasil. 5ª Ed. Porto Alegre, 2020. Disponível em: <https://atlassocioeconomico.rs.gov.br/fumo > Acesso em: 15 de fevereiro de 2021.

ATLAS Socioeconômico do Rio Grande do Sul. Quantidade produzida de leite no RS, média 2016-2018–RS. 5ª Ed. Porto Alegre, 2020. Disponível em: <https://atlassocioeconomico.rs.gov.br/midia/imagem/map-2016-2018-leite-rs> Acesso em 12 de abril de 2021.

BENTES-GAMA, M. D. M.; SILVA, M. L. D.; VILCAHUAMÁN, L. J. M.; LOCATELLI, M. Análise econômica de sistemas agroflorestais na Amazônia Ocidental, Machadinho D'Oeste-RO. Revista Árvore, v. 29, n. 3, p. 401-411, 2005.

BIERHALS, D. F.; HENZEL, A. B. D.; GUARINO, E. S.; CUNHA, H. N.; MIURA, A. K.; OLIVEIRA, I. H. S. Espécies arbóreas nativas plantadas por agricultores agroflorestais no extremo sul do Brasil. Cadernos de Agroecologia, v. 15, n. 2, 2020.

BRANDENBURG, A. Ecologização da agricultura familiar e ruralidade. In: DELGADO, G. C.; BERGAMASCO, S. M. P. P (Orgs.). Agricultura familiar brasileira: desafios e perspectivas de futuro. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2017. p. 150-165.

BRASIL. Lei nº 11.326 de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais: DOU de 25/07/2006. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11326.htm> Acesso em: 15 fev. de 2021.

CAMARGO, G. M.; SCHLINDWEIN, M. M.; PADOVAN, M. P.; SILVA, L. F. Sistemas Agroflorestais Biodiversos: Uma Alternativa Para Pequenas Propriedades Rurais. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 15, n. 1, p. 34-46, 2019.

CARDOSO, J. H.; SANTOS, J. S.; MEDEIROS, F. S. Pesquisa-Ação agroflorestal: uma abordagem metodológica. Extensão Rural, v. 25, n. 1, p. 112-128, 2018.

CUNHA, N. G.; SILVEIRA, R. D.; SEVERO, C. R. S.; SOARES, M., COSTA, C.; NUNES, M. Estudo dos solos do município de Canguçu. Pelotas, Embrapa-CPACT, 1997. 78 p. Disponível em: < https://www.embrapa.br/clima-temperado/busca-de-publicacoes/-/publicacao/739739/estudo-dos-solos-do-municipio-de-cangucu>. Acesso em: 15 de fevereiro de 2021.

FAO/IAEA. Management of Agroforestry Systems for Enhancing Resource use Efficiency and Crop Productivity. 2010. Disponível em: <https://www-pub.iaea.org/MTCD/Publications/PDF/te_1606_web.pdf>. Acesso em: 08 de jul. de 2020.

GARCIA, Á. A. As exportações gaúchas em 2011. Indicadores Econômicos FEE, v. 39, n. 4, p. 57-68, 2012.

GOIS, G. Evolução e diferenciação dos Sistemas Agrários na Serra Dos Tapes, Rio

Grande Do Sul. Geographia Meridionalis, v. 4, n. 1, p. 57-83, 2018.

GOMES, G. C.; CARDOSO, J. H.; FERRER, R. S.; RODRIGUES, P. R. F.; RODRIGUES, W. F. Árvores da Serra dos Tapes: guia de identificação com informações ecológicas, econômicas e culturais. Brasília: Embrapa, 2013.

GOODMAN, L. A. Snowball sampling. The annals of mathematical statistics, v. 32 n. 1, p. 148-170, 1961.

GÖTSCH, ERNST. Break-through in agriculture. Rio de Janeiro: AS-PTA, 1995.

IBGE. Censo Agropecuário 2017. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017> Acesso em 23 de abril de 2021.

LIMA, A. P.; BASSO, N.; NEUMANN, P. S.; SANTOS, A. C.; MULLER, A. G. Administração da unidade de produção familiar: modalidades de trabalho com agricultores. Ijuí: Unijuí, 1995.

LOPES, P. F.; FRANCO, J. M. C.; CASTRO JÚNIOR, L. G.; SANTOS, A. C.; CAPPELLE, M. C. A. O Pronaf e as racionalidades da agricultura familiar. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 24, n. 1, p. 70-84, 2016.

LUCCA, E. J.; BRUM, A. L. Educação Ambiental: como implantá-la no meio rural? Revista de Administração IMED, v. 3, n. 1, p. 33-42, 2013.

MAESTRI FILHO, M. J. O escravo no Rio Grande do Sul: a charqueada escravista e a gênese do escravismo gaúcho. Porto Alegre: EST/ UCS, 1984.

MAZOYER, M.; ROUDART, L. História das agriculturas no mundo - do neolítico à crise contemporânea. São Paulo: Editora Unesp, 2010.

MELLO, N. A. E a política agrícola transforma-se em instrumento do desenvolvimento sustentável. Revista Nera, v. 11, n. 12, p. 68-85, 2008.

MELLO, U. P. Construção do conhecimento agroecológico em sistemas agroflorestais de erva-mate e de frutíferas: conhecimento local e produção de novidades. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural). Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Rural. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto alegre, 2017.

MICCOLIS, A.; PENEIREIRO, F. M.; MARQUES, H. R.; VIEIRA, D. L. M.; ARCO-VERDE, M. F., HOFFMANN, M. R.; REHDER, TATIANA; PEREIRA, A. V. B. Restauração ecológica com sistemas agroflorestais: como conciliar conservação com produção: opções para Cerrado e Caatinga. Brasília: Instituto Sociedade, População e Natureza – ISPN/Centro Internacional de Pesquisa Agroflorestal – ICRAF, 2016.

NAIR, P. K. R. Classification of agroforestry systems. Agroforestry Systems, v. 3, n. 2, p. 97-128, 1985.

NAIR, P. K. R. State-of-the-art of agroforestry systems. Forest Ecology and Management, v. 45, n. 5-29, 1991.

NAIR, P. K. R. An Introduction to Agroforestry. Dordrecht, The Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 1993.

NETO, B. S.; DEZEN, M.; SANTOS, P. E. O conceito de reprodução social na análise de unidades de produção agropecuária. Revista Teoria e Evidência Econômica, v. 15, n. 32, p. 87-108, 2009.

PALMA, V. H.; ARCO-VERDE, M.; CURCIO, G.; GALVÃO, F.; MATTOS, L. Análise financeira de sistema agroflorestal (SAF) orgânico do sul do Brasil. Enciclopédia Biosfera, v. 17, n. 31, p. 26-39, 2020.

PAYÉS, M. A. M.; SILVEIRA, M. A. A racionalidade econômica do empresário familiar. Jaguariúna – SP: EMBRAPA-CNPMA, 1997.

PAULA, R. P.; SAIS, A. C.; OLIVEIRA, R. E.; OLIVAL, A. A. Sistemas agroflorestais na paisagem rural em Terra Nova do Norte-MT: métricas espaciais no auxílio das políticas de conservação ambiental em áreas de produção familiar. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 52, n. 175-193, 2019.

PERONDI, M. A.; SCHNEIDER, S. Diversificação agrícola e não agrícola da agricultura familiar. Porto Alegre: UFRGS, 2011.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1981.

RIO GRANDE DO SUL, Decreto nº 52.109, de 1º de dezembro de 2014. Declara as espécies da flora nativa ameaçadas de extinção no Estado do Rio Grande do Sul. DOE de 02/12/2014. Disponível em: <http://www.al.rs.gov.br/filerepository/repLegis/arquivos/DEC%2052.109.pdf>. Acesso em: 16 fev. 2021.

ROVER, O. J.; BOEIRA, S. L.; BIROCHI, R.; FOLLMANN, T. M. Modos de gestão para a diversificação produtiva em regiões produtoras de tabaco. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 13, n. 2, p. 177-201, 2017.

SALAMONI, G.; WASKIEVICZ, C. A. Serra dos Tapes: espaço, sociedade e natureza. Tessituras: Revista de Antropologia e Arqueologia, v. 1, n. 1, p. 73-100, 2013.

SANTOS, A. J.; LEAL, A. C.; GRAÇA, L. R.; CARMO, A. P. C. Economic viability of coffee – grevillea agroforestry system in northern state of Paraná. Cerne, v. 6, n. 1, p. 89-100, 2000.

SCHROTH, G.; FONSECA, G. A. B.; HARVEY, C. A.; GASCON, C.; VASCONCELOS, H. L.; IZAC, A. M. N. (Ed.). Agroforestry and biodiversity conservation in tropical landscapes. Washington: Island Press, 2004.

SEVERO, L. S.; PEDROZO, E. Á. A citricultura orgânica na região do Vale do Caí (RS): racionalidade substantiva ou instrumental? RAM. Revista de Administração Mackenzie, v. 9, n. 2, p. 58-81, 2008.

SHIVA, V. Monoculturas da mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. São Paulo: Gaia, 2003.

SILVA NETO, B; BASSO, D. (Org.). Sistemas agrários do Rio Grande do Sul: análise e recomendações de políticas. Ijuí: Unijuí, 2005.

SILVEIRA, R. L. L. A cultura do tabaco na Região Sul do Brasil: dinâmica de produção, organização espacial e características socioeconômicas. Geografia Ensino & Pesquisa, v. 19, n. 2, p. 23-40, 2015.

SILVEIRA, V. N. S. Racionalidade e organização: as múltiplas faces do enigma. Revista de Administração Contemporânea, v. 12, n. 4, p. 1107-1130, 2008.

SOARES, M. M.; HENZEL, A. B. D.; BIERHALS, D.; GUARINO, E.; MIURA, A. K. Arranjos agroflorestais recentemente implantados no Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Agroecologia, v. 15, n. 2, 2020.

SOARES-FILHO, B.; RAJÃO, R.; MACEDO, M.; CARNEIRO, A.; COSTA, W.; COE, M.; ALENCAR, A. Cracking Brazil's Forest Code. Science, v. 344, n. 6182, p. 363-364, 2014.

STRECK, E.V; KÄMPF, N; DALMOLIN, R. S. D; KLAMPT, E; NASCIMENTO, P. C; SCHNEIDER, P. Solos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 2002.

TENGNÄS, B. Agroforestry extension manual for Kenya. Nairobi: International Centre for Research in Agroforestry, 1994.

WANDERLEY, M. N. B. “Franja Periférica”, “Pobres do Campo”, “Camponeses”: dilemas da inclusão social dos pequenos agricultores familiares. In: Delgado, G. C.; Bergamasco, S. M. P. P (Orgs.). Agricultura familiar brasileira: desafios e perspectivas de futuro. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, p. 64-81, 2017.

VIEIRA, D. L. M.; HOLL, K. D.; PENEIREIRO, F. M. Agrosuccessional restoration as a strategy to facilitate tropical forest recovery. Restoration Ecology, v. 17, n. 4, p. 451–459, 2009.

VIVAN, J. L. Agricultura e Florestas: princípios de uma interação vital. Guaiba: Agropecuária , 1998.

VIVAN, J. L. Bananicultura em sistemas agroflorestais no Litoral Norte do RS. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, v. 3, n. 2, p. 17-26, 2002.

Downloads

Publicado

20-08-2021