Percepção ambiental de consumidores de produtos orgânicos

o caso da feira agroecológica da Associação Cristã de Base (ACB), no município de Crato (CE)

Autores

Palavras-chave:

Percepção Ambiental, Agricultura Familiar, Agroecologia, Feira agroecológica, Consumo de orgânicos

Resumo

O presente estudo tem por intuito pesquisar a percepção ambiental dos consumidores de produtos orgânicos da feira agroecológica assistida pela Associação Cristã de Base (ACB), em Crato (CE). O processo metodológico utilizado diz respeito à análise exploratória-descritiva, a partir de dados coletados por meio de uma pesquisa primária, mediante a aplicação de questionário semiestruturado. Para tanto, é calculado um Índice de Avaliação de Percepção Ambiental (Iapa), constituído por três dimensões: Percepção Geral e Costumes Sociais Relativos ao Ambiente (PGCSRA); Percepção Relativa ao Consumo Habitual (PRCH); Percepção Relativa ao Consumo de Alimentos Orgânicos (PRCAO). O resultado geral do Iapa aponta que os consumidores têm alto nível de percepção ambiental quanto ao consumo de produtos orgânicos. Portanto, conclui-se que o grau de instrução educacional, o convívio social e a preocupação com as gerações futuras, apresentados por estes consumidores, foram fatores de extrema importância para os números elevados obtidos no índice.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valéria Feitosa Pinheiro, Universidade Regional do Cariri, Crato, Brasil

Doutoranda em Economia pelo Dinter Universidade Federal Fluminense - UFF/Universidade Regional do Cariri - URCA. Professora Adjunta do Departamento de Economia da Universidade Regional do Cariri (URCA). 

Guilherme Silva Nascimento, Universidade Regional do Cariri, Crato, Brasil

Graduado em Economia pela Universidade Regional do Cariri (URCA), Crato, Ceará, Brasil.

Christiane Luci Bezerra Alves, Universidade Regional do Cariri, Crato, Brasil

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Ceará (UFC), especialização em Teoria Econômica também pela UFC e Mestrado em Economia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Concluiu Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente - DDMA pela Universidade Federal do Ceara (UFC). É Professora Associada do Departamento de Economia da Universidade Regional do Cariri (URCA), Crato, Ceará, Brasil.

Anderson da Silva Rodrigues, Universidade Regional do Cariri, Crato, Brasil

Doutor em Desenvolvimento e Meio Ambiente pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal do Ceará (PRODEMA/UFC). Professor Associado do Departamento de Economia da Universidade Regional do Cariri (URCA), Crato, Ceará, Brasil.

Maria Larissa Bezerra Batista, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil

Mestranda em Economia pelo Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPECO/UFRN).

Referências

ALTIERI, M. Agroecologia: A dinâmica produtiva da agricultura sustentável. 4. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004. Disponível em: <https://www.socla.co/wp-content/uploads/2014/Agroecologia-Altieri-Portugues.pdf>. Acesso em: 13 nov. 2019.

ASSIS, L.; ROMEIRO, A. R. Agroecologia e agricultura orgânica: controvérsias e tendências. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente Caminhos da Agricultura Ecológica, Paraná, v.6, p. 67-80, jul.-dez. 2002.

ALVES, L. R.; BECKER, C.; NASCIMENTO, S. G. da S.; ÁVILA, M. R. de. Percepção ambiental e agricultura familiar: o caso da cooperativa “Agroecologia, Terra, Pampa e Fronteira”. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável, v.8, n.3, 2018.

BALSAN, R. Impactos decorrentes da modernização da agricultura brasileira. Revista de Geografia Agrária, v.1, n.2, p. 123-151, ago. 2006.

BERNARDINO, R.V. Uma análise sociológica sobre o consumo de alimentos orgânicos a partir das representações sociais dos consumidores da feira orgânica do bairro Barro Vermelho em Vitória – ES. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória (ES), 2015.

BRANDALISE, L. T; BERTOLINI, G. R. F; ROJO, C. A; LEZANA, Á. G. R; POSSAMAI, O. A percepção e o comportamento ambiental dos universitários em relação ao grau de educação ambiental. Gestão & Produção, São Carlos, v.16, n.2, p. 273-285, abr.-jun. 2009.

CARNEIRO, C. M. F. M. L. Escolha de alimentos em feiras de produtos orgânicos: um estudo de percepção ambiental em abordagem ecológica. Tese (Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte), Natal, 2019.

CARNEIRO, Sônia M. M. Fundamentos epistemo-metodológicos da educação ambiental. Educar, Curitiba, n. 27, p. 17-35, 2006. Editora UFPR.

CHAUÍ, M. Convite à filosofia. Ática, São Paulo, 2000.

DEL RIO, V. Desenho urbano e revitalização na área portuária do Rio de Janeiro. Tese de Doutorado; FAU/USP, 1991.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Marco referencial em agroecologia / Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2006. Disponível em: <https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/66727/1/Marco-referencial.pdf>. Acesso em: 21 maio 2019.

FERNANDES, R. S., SOUZA, V. J., PELISSARI, V. B., FFERNANDES, S.T. Uso da percepção ambiental como instrumento de gestão em aplicações ligadas às áreas educacional, social e ambiental. Rede Brasileira de Centros de Educação Ambiental. Rede Ceas. Notícias, 2009. Disponível em: <http://www.anppas.org.br/encontro_anual/encontro2/GT/GT10/roosevelt_fernandes.pdf>. Acesso em: 21 maio 2019.

FERREIRA, C. P. Percepção Ambiental na Estação Ecológica de Jureia-Itatins. Dissertação (Mestrado em Ciência Ambiental) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental, Universidade de São Paulo, p. 114, São Paulo/SP, 2005.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: pesquisando a base ecológica para uma agricultura sustentável. Estudos Ecológicos (Ed.). v.78, p. 3-10, 1990.

GONÇALVES, Kleber S. Percepção ambiental dos consumidores de produtos orgânicos das feiras do Parque Água Branca, 2017. 93 f. Dissertação. Universidade Nove de Julho, Uninove, São Paulo, 2017.

GUIMARÃES, S. T. L. Nas trilhas da qualidade: algumas ideias, visões e conceitos sobre qualidade ambiental e de vida. Geosul, Florianópolis, v.20, n.40, p 7-26, jul.-dez. 2005.

KRZYSCZAK, F. R. As diferentes concepções de meio ambiente e suas visões. Revista de Educação do Ideau, v.11, n.23, ISSN: 1809-6220, jan.-jun. 2016.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. A crise ambiental e suas implicações na educação. In: QUINTAS, José da Silva (Org.). Pensando e praticando a educação ambiental na gestão do meio ambiente. 2. ed. Brasília: Ibama, 2002, v.1, p. 159-196.

LOPES, Maurício A.; CONTINI, Elísio. Agricultura, Sustentabilidade e tecnologia. Agroanalysis, v. 32, p.28-34, fev. 2012. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1028545/agricultura-sustentabilidade-e-tecnologia. Acesso em: 16 fev. 2020.

MARCONI, M. et al. Os alimentos orgânicos e a percepção de seus atributos por parte dos consumidores. In: VII Semead (VII Seminários em administração do FEA-USP). Anais... São Paulo, agosto de 2004.

MARIN, A. A. Pesquisa em educação ambiental e percepção ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, v.3, n.1, p. 203-222, jan.-jun. 2008. Disponível em: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/pesquisa/article/download/6163/4519. Acesso em: 21 maio 2019.

MELAZO, G. C. Percepção ambiental e educação ambiental: uma reflexão sobre as relações interpessoais e ambientais no espaço urbano. Uberlândia, Ano VI, n.6, p. 45-51, 2005.

MOREIRA, R. M.; CARMO, M. S. Agroecologia na construção do desenvolvimento rural sustentável. Agricultura em São Paulo, São Paulo, v. 51, n.2, p. 37-56, jul.-dez. 2004.

MOREIRA, R. S; BENTO, R. C. G; ALVES, C. L; RODRIGUES, A. S; PINHEIRO, V. F. Percepção ambiental de produtores rurais da Fazenda São Silvestre – Sítio Malhada – Crato/CE, IV Semana Universitária da Urca – XXII Semana de Iniciação Científica da URCA e VII Semana de Extensão, Outubro de 2019.

NODARI, R. O.; GUERRA, M. P. A agroecologia: estratégias de pesquisa e valores. Estudos Avançados, São Paulo, v.29, n.83, p.183-207, 2015.

ORMOND, J.G.P. et al. Agricultura orgânica: Quando o passado é futuro. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n.15, p. 3-34, mar. 2002.

PALMA, I. R. Análise da percepção ambiental como instrumento ao planejamento da educação ambiental. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre, 2005.

PIRES, M. J. S; RAMOS, P. O termo modernização conservadora: sua Origem e Utilização no Brasil. Revista Econômica do Nordeste, v.40, n.3, p. 418-424, jul.-set., 2009.

RAUD-MATTEDI, C. Análise crítica da sociologia econômica de Mark Granovetter: os limites de uma leitura do mercado em termos de redes e imbricação. Revista Política & Sociedade, n.6, p. 59-82, 2005.

RICARDIO, L. A modernização conservadora da agricultura brasileira, agricultura familiar, agroecologia e pluriatividade: diferentes óticas de entendimento e de construção do espaço rural brasileiro. En Cuad. Desarro. Rural. 8, 2011. (67): 231-249.

RODRIGUEZ, J. M. M.; SILVA, E. V da. Planejamento e gestão ambiental: subsídios da geoecologia das paisagens e da teoria geosistêmica. Fortaleza: Edições UFC, 2013.

SAMBUICHI et al. A política nacional de agroecologia e produção orgânica no Brasil: uma trajetória de luta pelo desenvolvimento rural sustentável. Brasília: Ipea, 2017.

SAMBUICHI et al. A sustentabilidade ambiental da agropecuária brasileira: impactos, políticas públicas e desafios. Brasília: Ipea, 2012, 47 p. (Texto para Discussão, n.1782). Disponível em: <http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/1050/1/TD_1782.pdf>. Acesso em: 16 maio 2016.

SHIMADA, W. K. et al. A percepção do consumidor de produtos orgânicos no município de Dourados – MS. Revista de Agronegócio – Reagro, Jales, v.6, n.1, p. 51-63, jan.-jun. 2017.

SILVA, G. P. A construção social dos circuitos curtos de comercialização e consumo de alimentos: a emergência de novas institucionalidades. Tese (Doutorado em Extensão Rural). Programa de Pós-graduação em Extensão Rural. Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, 2016.

SILVA, G. da. A nova dinâmica da agricultura brasileira. Campinas: Unicamp/Instituto de Economia, 1998.

TASSARA, E. T. de O; RABINOVICH, E. P. Perspectivas da psicologia ambiental. In: Estudos de Psicologia, v.8, n.2. Natal: 339-340, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/epsic/v8n2/19052.pdf>. Acesso em: 21 maio 2019.

TRAJBER, R; SORRENTINO, M. Políticas de educação ambiental do órgão gestor. In: Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola. [Coordenação: Soraia Silva de Mello, Rachel Trajber]. Brasília: Ministério da Educação, Coordenação-Geral de Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental: Unesco, 2007.

TREVIZAN, S. D. P.; CASEMIRO, A. D. Consumidores de produtos orgânicos em Vitória da Conquista, Bahia. In: International Workshop Advances in Cleaner Production. São Paulo, 2009. Anais eletrônicos... Disponível em: http://www.advancesincleanerproduction.net/second/files/sessoes/4b/2/s.%20d.%20p.%20trevisan%20-%20resumo%20exp.pdf. Acesso em: jun. 2020

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

VASCO, A. P; ZAKRZEVSKI, S. B. B. O estado da arte das pesquisas sobre percepção ambiental no Brasil. Perspectiva, Erechim, v.34, n.125, p. 17-28, mar. 2010. Disponível em: <http://www.uricer.edu.br/site/pdfs/perspectiva/125_71.pdf>. Acesso em: 21 maio 2019.

VEIGA, J. E. da. Agricultura familiar e sustentabilidade. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v 13, n.3, p. 383-404, 1996.

VITAL, J. V.; BERTOLINO, A. R.; FONSECA, I. G. da. Metodologia da amostragem para o cálculo de capacidade dos setores ATC. In: Simpósio de Pesquisa Operacional da Marinha, 2009, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: <https://www.marinha.mil.br/spolm/sites/www.marinha.mil.br.spolm/files/072.pdf>. Acesso em: 12 nov. 2019.

ZANELLA, T. P. A percepção ambiental dos consumidores de hortaliças orgânicas da Feira Municipal de Palotina – PR. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Profissional). Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Cascavel (PR), 2017.

Downloads

Publicado

2020-08-03