O trabalho das mulheres costureiras na zona rural do Agreste pernambucano

Autores

Palavras-chave:

Costura, Trabalho Domiciliar, Trabalho Doméstico, Relações de Trabalho e Gênero, Polo de Confecções do Agreste pernambucano

Resumo

O presente artigo tem como objetivo principal analisar as relações sociais de trabalho e de gênero, a partir da inserção das mulheres camponesas na produção de roupas no Polo de Confecções do Agreste pernambucano. Privilegiando espacialmente os domicílios rurais, o texto oferece uma análise antropológica, através de um relato etnográfico, descrevendo as ações, os valores e as expectativas das pessoas entrevistadas. A discussão trazida aqui levou em conta: o aprendizado da costura, a terceirização, o ganho por produção, as longas jornadas, a relação com os “patrões”, o trabalho doméstico reprodutivo, o trabalho domiciliar produtivo e a independência financeira. O artigo revela que, embora a costura tenha se tornado uma importante fonte de renda para inúmeras mulheres camponesas, essa entrada feminina no mercado de trabalho veio acompanhada pela precarização, fazendo com que as mulheres sejam as mais prejudicadas pelos processos de informalidade e flexibilidade que ocorrem na região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Milanês, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

É Doutora e Mestra em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Fez doutorado sanduíche no Lateinamerika Institut (LAI) da Freie Universität Berlin, Alemanha. É Pesquisadora do Núcleo de Estudos Ciência, Natureza, Informação e Saberes (CINAIS), coordenado pela Prof. Maria José Carneiro. Foi membro da comissão editorial da Revista IDeAS - Interfaces em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade. Possui estudos dirigidos nas áreas de Relações de Gênero, Sociologia e Antropologia do Trabalho, Sociologia Econômica, Antropologia Econômica e Sociologia Rural. 

Referências

ABREU, A; SORJ, B. O trabalho invisível: estudos sobre trabalhadores a domicílio no Brasil. Rio de Janeiro, Rio Fundo Editora, 1993.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial, 1999.

BEZERRA, E. M. O trabalho a domicílio das mulheres do Cariri Paraibano no Polo de Confecções do Agreste de Pernambuco. 2011. 132f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal de Campina Grande.

BRUSCHINI, C. Trabalho doméstico: inatividade econômica ou trabalho não remunerado? Revista Brasileira de Estudos de População, v.23, n.2, p. 331-353, 2006.

CABRAL, R. M. Relações possíveis entre empreendedorismo, arranjos organizacionais e institucionais: Estudos de casos no Polo de Confecções do Agreste Pernambucano. 2007. 311f. Tese (Doutorado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal da Bahia. Salvador.

CAMPELLO, G. M. C. A Atividade de Confecções e a Produção do Espaço em Santa Cruz do Capibaribe. 1983. 157f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Pernambuco.

CARNEIRO, M. J. T. Trabalho, “ajuda” e disputas: uma etnografia das confecções de lingerie em domicílios rurais. Estudos de Sociologia, Araraquara, v.11, n.20, p. 99-125, 2006.

ESPÍRITO SANTO, W. R. Sulanqueiras: o trabalho com vestuário e outros ofícios no agreste pernambucano. 2013. 490f. Tese (Doutorado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

GARCIA, M. F. Feira e trabalhadores rurais: as feiras do Brejo e do Agreste Paraibano. 1984. 239f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. 1984.

GARCIA JR., A. R. O Sul: caminho do roçado: estratégias de reprodução camponesa e transformação social. Brasília: Editora Universidade de Brasília, MCT – CNPq, 1989.

HIRATA, H. Entrevista: Helena Hirata. Revista trabalho, educação e saúde, v.4, n.1, p. 199-203, 2006.

HIRATA, H. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v.37, n.132, 2007.

KREIN, D.; CASTRO, B. As formas flexíveis de contratação e a divisão sexual do trabalho. In: KREIN, D. et al. (Orgs.). Mundo do trabalho das mulheres: ampliar direitos e promover a igualdade. São Paulo: Unicamp. IE. Cesit, 2017.

LEITE, M. P.; SILVA, S. R. A.; GUIMARÃES, P. C. O trabalho na confecção em São Paulo: as novas formas da precariedade. Cad. CRH, Salvador, v.30, n.79, p. 51-67, 2017.

LIMA, A. M. de S. As faces da subcontratação do trabalho: um estudo com trabalhadores e trabalhadoras da confecção de roupas de Cianorte e região. 2009. 357f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas.

LIRA, S. M. Os aglomerados de micro e pequenas indústrias de confecções do Agreste/PE: um espaço construído na luta pela sobrevivência. Revista de Geografia, Recife, v. 23, n. 1, p. 98-114, 2006.

LOPES, J. S. L. O vapor do diabo: o trabalho dos operários do açúcar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

LOPES, J. S. L. Notas sobre a precarização do trabalho. Revista da RET - Rede de Estudos do Trabalho, São Paulo, v.8, n.8, p. 1-14, 2011.

LYRA, M. R. S. B. Sulanca x muamba: rede social que alimenta a migração de retorno. São Paulo Perspectiva, São Paulo, v.19, n.4, p. 144-154, 2005.

MATTEI, L. A relevância da família rural como unidade de análise nos estudos sobre pluriatividade. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v.45, n.4, p. 1055-1073, 2007.

MILANÊS, R. B. Da lavoura para a máquina de costura: a inserção dos homens no Polo de Confecções do Agreste de Pernambuco. Revista Extensão Rural, Santa Maria, v.27, n.1, p. 22-41, 2020.

NEVES, M. A.; PEDROSA, C. M. Gênero, flexibilidade e precarização: o trabalho a domicílio na indústria de confecções. Soc. estado, Brasília, v.22, n.1, p. 11-34, 2007.

NUNES, M. P.; SILVEIRA, G. A. Análise das Motivações do Consumidor de Fast-Fashion. Revista de Administração Imed, v.6, n.1, p. 56-71, 2016.

ROCHA, J. P. As estratégias de vida das costureiras: confecção, facção e confiança no Pólo de Moda de Petrópolis (RJ). 2013. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

SCHNEIDER, S. Os colonos da indústria calçadista: expansão industrial e as transformações da agricultura familiar no Rio Grande do Sul. 1994. 363f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Estadual de Campinas.

SCHNEIDER, S. A pluriatividade na agricultura familiar brasileira. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.

SILVA, S. R. A. A juventude na “Sulanca”: Os desafios da inserção no mundo do trabalho em Taquaritinga do Norte – PE. 2009. 176f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal de Campina Grande.

SOUZA, A. M. “A gente trabalha onde a gente vive”: A vida social das relações econômicas: parentesco, “conhecimento” e as estratégias econômicas no Agreste das confecções. 2012. 228f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

TEPICHT, J. Marxisme et Agriculture: le paysan polonais. Paris: Armand Colin, 1973.

WANDERLEY, M. N.B. Raízes históricas do campesinato brasileiro. In: TEDESCO, J. C. (Org). Agricultura familiar: realidade e perspectivas. Passo Fundo: UPF, 1998.

Downloads

Publicado

2020-12-30