Entre nativos e exóticos: a mestiçagem na construção de uma nova identidade na caprinovinocultura dos sertões

Autores

  • Oswaldo Gonçalves Junior Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Palavras-chave:

caprinovinocultura, Semiárido, agricultura familiar

Resumo

Na caprinovinocultura do Semiárido, dinâmicas entre criadores de caprinos e ovinos, nativos e exóticos, trazem consigo uma série de significados. Para além de disputas comerciais propriamente ditas, embates se travam no plano das ideias, revelando diferentes valores e interesses em torno da origem racial desses animais. Entre esses dois segmentos situam-se a maior parte dos sertanejos e a tradicional caprinovinocultura do Semiárido, baseada na utilização de animais sem raça definida (SRD), surgidos da dinâmica de cruzamentos espontâneos, próprios de criações extensivas caracterizadas pelo menor controle sobre os rebanhos, estado que revela um acentuado contraste em relação aos dois primeiros segmentos. Tendo em vista que uma influência deles sobre as criações sertanejas pode acarretar uma melhora da produção dos agricultores familiares, diferentes atores sociais ligados ao setor da pesquisa e da extensão rural têm voltado seus esforços para a construção de possíveis arranjos que se mostrem favoráveis à reversão de problemas históricos daquela região, com destaque para a utilização da mestiçagem animal como estratégia para mudanças. Este artigo foca a atuação desses atores, as formas de interação entre eles, o papel que cumprem as ideias, valores e mentalidades em face das possibilidades para a caprinovinocultura daquela região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Oswaldo Gonçalves Junior, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Doutor em Administração Pública e Governo (EAESP-FGV), Professor Assistente Doutor junto ao Departamento de Administração Pública (FCLAR/UNESP).

Referências

ANDRADE, M. C. A terra e o homem do Nordeste. 6ª ed. Recife: Editora UFPE, 1998.

FRANÇA, F. et al. “Análise econômica e financeira de um modelo teórico de produção de leite caprino para unidades familiares no semiárido do Rio Grande do Norte”. In: LIMA, G. F. da C. et al. (org.). Criação familiar de caprinos e ovinos no Rio Grande do Norte: orientações para viabilização do negócio rural. Natal: EMATER-RN / EMPARN / Embrapa Caprinos, 2006.

FREYRE, G. Casa-grande & Senzala. 16ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1973.

FREYRE, G. Nordeste: aspectos da influência da cana sobre a vida e a paisagem do Nordeste do Brasil. 7ª ed. São Paulo: Global, 2004.

GIRÃO, V. C. “As charqueadas”. In: SOUZA, S. História do Ceará. Fortaleza: Fundação Demócrito Rocha, 1995.

GOMES, G. M. Velhas secas em novos sertões:continuidade e mudanças na economia do Semiárido e dos Cerrados nordestinos. Brasília: IPEA, 2001.

GONÇALVES, O. J. Da tradição ao mercado: construção social e caprinovinocultura no Semiárido. 2010. 336 f. Tese de doutorado. Programa de Pós-graduação em Administração Pública e Governo, Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, São Paulo, 2010.

NOBRE, F. V.; ANDRADE, J. “Panorama da Produção de Leite Caprino no Rio Grande do Norte”. In: LIMA, Guilherme Ferreira da Costa et al. Criação familiar de caprinos e ovinos no Rio Grande do Norte: orientações para viabilização do negócio rural. Natal: EMATER-RN: EMPARN; [Sobral]: Embrapa Caprinos, 2006.

NOBRE, F. V; AMARAL, A. M. M; PINHEIRO, K. P. A caprinovinocultura do Rio Grande do Norte: aspectos mercadológicos na grande Natal. Natal/RN, 2007.

OLIVEIRA, J. A. M. de et al. “Avaliação da adoção das tecnologias usadas pelos produtores de caprinos e de ovinos tropicais dos Estados da Bahia, Piauí, Pernambuco e Ceara”. In: Encontro da Sociedade Brasileira de Sistemas de Produção, 2, Londrina. Anais... Londrina: IAPAR/SBS, 1995.

PRADO JUNIOR, C. Formação do Brasil Contemporâneo: Colônia. 23ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

Downloads

Publicado

2015-03-08