Distribuição da terra e disponibilidade de área nos estabelecimentos familiares do Rio de Janeiro

Autores

Palavras-chave:

terra, agricultura familiar, índice de Gini, Rio de Janeiro

Resumo

Com esta pesquisa, buscou-se caracterizar a distribuição da terra no estado do Rio de Janeiro e verificar sua relação com a disponibilidade de terra entre os estabelecimentos familiares. Nesta análise, que se baseou em dados do Censo Agropecuário de 2006, foram empregados o índice de Gini, a área média, o percentual da área correspondente aos 5% dos estabelecimentos maiores e o percentual da área correspondente aos 50% dos estabelecimentos menores. Constatou-se que, em geral, os estabelecimentos familiares do estado apresentam área reduzida. A maior parte deles, quase 87%, pode ser caracterizada como minifúndio. Observou-se ainda que a maior proporção de minifúndios tende a ser encontrada em municípios com estrutura fundiária mais concentrada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Marcelo de Souza, Universidade Estadual do Norte Fluminense, Campos dos Goytacazes, Brasil

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Espírito Santo (1995) e doutorado em Economia Rural pela Universidade Federal de Viçosa (2000). É Professor Associado I da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Tem experiência na área de Economia agrícola, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento regional, agricultura familiar, questão agrária e política agrícola.

Hadma Milaneze de Souza, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Brasil

Doutoranda em Extensão Rural pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (2013) e mestrado em Políticas Sociais pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (2016).

Niraldo José Ponciano, Universidade Estadual do Norte Fluminense, Campos dos Goytacazes, Brasil

Possui graduação em Agronomia (1992), mestrado em Economia Rural (1994) e doutorado em Economia Aplicada (2000) pela Universidade Federal de Viçosa. Atualmente é professor associado I da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), no Laboratório de Engenharia Agrícola. Pesquisador nível 2 do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Orientador de mestrado e doutorado na Pós-graduação em Produção Vegetal. Coordena projetos de pesquisa e de extensão rural na área de Desenvolvimento Rural Sustentável. Tem experiência na área de Agronomia e Economia Rural, atuando principalmente nos seguintes temas: viabilidade econômica, agricultura familiar, geração e transferência de tecnologia e extensão rural.

Referências

BRASIL. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Classificação dos imóveis rurais. Disponível em: http://www.incra.gov.br/tamanho-propriedades-rurais. Acesso: 14 ago. 2017a.

BRASIL. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Tabela com módulo fiscal dos municípios. Disponível em: http://www.incra.gov.br/tabela-modulo-fiscal. Acesso: 14 ago. 2017b.

BUAINAIN, A. M.; ROMEIRO, A. R.; GUANZIROLI, C. Agricultura Familiar e o Novo Mundo Rural. Sociologias, Porto Alegre, ano 5, n. 10, jul.-dez. 2003, p. 312-347.

CARNEIRO, P. A. S. Conquista e povoamento de uma fronteira: a formação regional da Zona da Mata no leste da Capitania de Minas Gerais (1694-1835). Belo Horizonte, UFMG, 2008. 278f. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais.

COSTA, R. A. Algumas medidas de concentração e desigualdade e suas aplicações. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 49-77, jan.-abril 1979.

GRAZIANO DA SILVA, J. A modernização conservadora dos anos 70. In: GRAZIANO DA SILVA, J. Tecnologia e agricultura familiar. Porto Alegre: Universidade/UFRS, 1999. p. 87-135.

GUANZIROLII, C. E; BUAINAIN, A. M.; DI SABBATO, A. Dez anos de evolução da agricultura familiar no Brasil: 1996 e 2006. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 50, n. 2, Brasília, p. 351-37, abr.-jun. 2012.

HELFAND, S. M., MOREIRA, A. R. B.; BRESNYAN JUNIOR, E. W. Agricultura familiar, produtividade e pobreza no Brasil: evidências do censo agropecuário 2006. In: SCHNEIDER, S., FERREIRA, B.; ALVES, F. (Orgs.). Aspectos multidimensionais da agricultura brasileira: diferentes visões do censo agropecuário 2006. Brasília: Ipea, 2014. p. 279-311.

HOFFMANN, R. Estatística para economistas. 2. ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora. 1991. 426p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSITCA. Sistema de Recuperação Automática de Dados – Sidra. Disponível em: . Acesso em: ago. 2016.

PEREIRA, V. S. N. PONCIANO, N. J.; NNEY, M. G.; CAROLINO, J. Transformações no meio rural fluminense: uma análise das características demográficas dos domicílios. In: 51o Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, 2013, Belém. Anais... Belém, 2013.

SANTOS, G. R.; VIEIRA FILHO, J. E. Heterogeneidade produtiva na agricultura brasileira: elementos estruturais e dinâmicos da trajetória produtiva recente. Rio de Janeiro: IPEA: Texto para discussão 1740, 2012. 32p.

SCHNEIDER, S.; CASSOL, A. Diversidade e heterogeneidade da agricultura familiar no Brasil e algumas implicações para políticas públicas. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 31, n. 2, p. 227-263, mai.-ago. 2014.

SOUZA FILHO, H. M. et. al. Agricultura Familiar e Tecnologia no Brasil: características, desafios e obstáculos. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO RURAL, 42., 2004, Cuiabá. Anais... . Brasília: Sober, 2004.

VEIGA, J. E. O desenvolvimento agrícola: uma visão histórica. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo/HUCITEC, 1991. 240p.

HOFFMANN, R.; NEY, M. G. Estrutura fundiária e propriedade agrícola no Brasil, grandes regiões e unidades da federação. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2010. 108p.

SOUZA, P. M.; NEY, M. G.; FORNAZIER, A.; PONCIANO, N. J. Comportamento da distribuição do valor da produção vegetal entre os estabelecimentos agropecuários: uma análise dos dados dos censos de 1995/96 e 2006. Revista Econômica do Nordeste, v. 46, n. 1, p. 131-150, jan.-mar. 2015.

Downloads

Publicado

2020-10-19