A construção do projeto neoliberal no Brasil (1988 - 1998): instituto liberal e o discurso da “flexibilização” e ataque às propostas de reforma agrária

Autores

  • Flávio Henrique Calheiros Casimiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais (IFSULDEMINAS)

Palavras-chave:

Hegemonia neoliberal, Flexibilização das leis trabalhistas, Reforma agrária

Resumo

Este artigo visa discutir o processo de construção e difusão do projeto hegemônico neoliberal no Brasil, tendo como objeto de pesquisa a atuação dos “intelectuais orgânicos” do Instituto Liberal. A proposta concentra-se nas estratégias discursivo-ideológicas adotadas por esses intelectuais que objetivavam a construção de consenso e a naturalização do discurso neoconservador liberal, em meados dos anos 1980. Nesse sentido, propomos uma discussão em torno do discurso da chamada flexibilização das leis trabalhistas e da postura de ataque às propostas de reforma agrária e aos movimentos sociais do campo no Brasil. Assim, nossa proposta é discutir esse projeto neoliberal, entendendo-o como um processo, como uma construção cujo ritmo e intensidade de implementação são resultantes das especificidades da realidade social brasileira. Esse entendimento ressalta e valoriza o papel dos agentes históricos como verdadeiros atores sociais, que por meio dos aparelhos privados de hegemonia e dos veículos midiáticos atuaram pedagogicamente para a naturalização dessa visão de mundo no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávio Henrique Calheiros Casimiro, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais (IFSULDEMINAS)

Graduado em História pela Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP. Mestre em História pela Universidade Federal de São João Del Rei – UFSJ. Diretor Executivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais – IFSULDEMINAS.

Referências

BOURDIEU, P. Contrafogos: táticas para enfrentar a invasão neoliberal. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BOURDIEU, P. Contrafogos 2: por um movimento social europeu. Portugal: Celta Editora, 2001.

BOURDIEU, P. O Poder Simbólico. Trad. Fernando Tomaz – 11ª. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

COUTINHO, C. N. Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere - Maquiavel. Notas sobre o Estado e a política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. 428 p. v. 3.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. 7. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1989.

GROS, D. B. Institutos Liberais e Neoliberalismo no Brasil da Nova República. Porto Alegre: Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heureser, 2003. (teses FEE n. 6).

LEITE LOPES, J. S. (coord.); ANTONAZ, D; PRADO, R; SILVA, G. (org.). A ambientalização dos conflitos sociais: participação e controle público da poluição industrial. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

MARTINS, A. S. Estratégias burguesas de obtenção de consenso nos anos de neoliberalismo de terceira via. In: NEVES, Lúcia M. W. (org.). A Nova Pedagogia da Hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

NEVES, L. M. W. (org.). A Nova Pedagogia da Hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

POLANYI, K. A Grande Transformação: as origens de nossa época. Rio de Janeiro: Campus, 1980.

SAES, D. A república do capital: capitalismo e processo político no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2001.

SILVA, C. L. S. Veja: o indispensável partido neoliberal (1989 a 2002). Tese de Doutorado. Niterói: UFF, 2005.

WOOD, E. M. Democracia contra capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2006.

Downloads

Publicado

2015-03-08