‘Da mata bruta’ aos montes cobertos por cafeeiros, canaviais e pastagens

traços da História Ambiental de Cambuci e do Noroeste Fluminense (1861-1920)

Autores

Palavras-chave:

História Ambiental, Noroeste Fluminense, Cambuci, café, cana-de-açúcar, pecuária, paisagem

Resumo

O trabalho tem por objetivo analisar a dinâmica da estruturação produtiva do município de Cambuci, em seu contexto regional, o Noroeste Fluminense, da segunda metade do século XIX até 1920. Tomando a História Ambiental como fio condutor, analisa-se o papel da cana-de-açúcar, do café e da pecuária na configuração territorial dessa região, com base em dados censitários e em informações do jornal Almanak Laemmert. A partir daí, busca-se compreender os impactos econômicos, ambientais e sociais dessas práticas agropecuárias e sua estreita relação com a malha ferroviária que ali se constituiu e também contribuiu para o desenvolvimento local. Tudo isso à custa de um passivo ambiental elevado, marcado, atualmente, na paisagem da região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Almeida Frazão, Instituto Federal Fluminense, Cambuci, Brasil

Pós-Doutorando no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense. Doutor em Ciências Sociais, CPDA/UFRRJ. Mestre em História Social, UFF. Professor de História do Instituto Federal Fluminense. Líder do Núcleo de Pesquisas e Estudos sobre as Ruralidades Fluminenses (NUPERF). Membro do INCT Proprietas.

Regis Rodrigues de Almeida, Instituto Federal Fluminense, Cambuci, Brasil

Possui graduação em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (2011) e mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (2014). Atualmente é professor do Instituto Federal Fluminense. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Ensino de Geografia, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, metodologia no ensino de geografia, pedagogia, ensino de geografia e ensino de cidade.

Referências

ALENTEJANO, Paulo Roberto R. ‘A evolução do espaço agrário fluminense’. GEOgraphia, ano 7, n.13, 2005, p. 49-70. Disponível em: https://periodicos.uff.br/geographia/article/view/13501 >. Acesso em: 8 abr. 2020.

ALIMONDA, Héctor (Org.). La naturaleza colonizada. Ecología política y mineria en America Latina. Buenos Aires: Clasco, Ediciones Ciccus, 2011.

ARRAIS, Tadeu Alencar. A produção do território goiano: economia, urbanização e economia. Goiânia: Editora UFG, 2013.

AZEVEDO, Almir Pinto de. Cambuci – 200 anos. Cambuci: Gráfica Nova Impressão, 2004.

CABRAL, Diogo de Carvalho; CESCO, Susana. Árvores do rei, floresta do povo: a instituição das ‘madeiras de lei’ no Rio de Janeiro e na ilha de Santa Catarina (Brasil) no final do período colonial. Luso-Brazilian Review, v.4, n.2 (2007). p. 50-86.

CARVALHO, Miguel Mundstock Xavier; PROVIN, Bruno Griebler; VALENTINI, Renan Pagamini. Expedições. Teoria da História e Historiografia. Ano 7 – n.2 – ago.-set. 2016, p. 119-140.

CHRYSOSTOMO, Maria Isabel de Jesus. Ideias em ordenamento, cidades em formação: a produção da rede urbana na província do Rio de Janeiro. Tese de Doutorado apresentada ao curso de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006.

CROSBY, Alfred W. Imperialismo Ecológico: a expansão biológica da Europa (900-1900). São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

CRUZ, José Luiz Vianna da. Os desafios do Norte e do Noroeste Fluminenses frente aos grandes projetos estratégicos. Vértices, v.9, n.1-3, jan.-dez. 2007. p. 43-50.

DEAN, Warren. A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

DRUMMOND, José Augusto. Devastação e preservação ambiental: os parques ambientais do Rio de Janeiro. Niterói: Eduff, 1997.

ERTHAL, Clélio. Cantagalo: da miragem do ouro ao esplendor do café. Niterói: Nitpress, 2008.

FARIA, Sheila de Castro. ‘Cafeicultura’ In: VAINFAS, Ronaldo (Org.). Dicionário do Brasil Imperial. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002, p. 106-110.

FARIA. Sheila de Castro. A colônia em movimento: fortuna e família no período colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

FARIA. Sheila de Castro. Ouro, porcos, escravos e café: as origens das fortunas oitocentistas em São Pedro de Cantagalo, Rio de Janeiro (últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX). Anais do Museu Paulista. São Paulo, Nova Série, v.26, 2018, p. 1-23.

FIRJAN/CIA DE PROMOÇÃO AGRÍCOLA. Estudo de viabilidade de um polo de fruticultura na Região Norte/Noroeste Fluminense. Rio de Janeiro, 1988.

GOMES, Mauro Leão. Ouro, posseiros e fazendas de café. A ocupação e a degradação ambiental da região das Minas de Cantagalo na Província do Rio de Janeiro. Tese (Doutorado) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, CPDA, 2004.

GUERRANTE, Cláudio. Do Cambuci para Cambuci: a história de um sobrenome italiano no estado do Rio de Janeiro. Cuiabá: Defanti, 2012.

IBGE. Anuário Geográfico do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1965.

LAMEGO, Alberto Ribeiro. O homem e a serra. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Biblioteca Geografia Brasileira. Rio de Janeiro: Edição da Divisão Cultural, 1963.

LENHARO, Alcir. As tropas da moderação. O abastecimento da Corte na formação política do Brasil – 1808-1842. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração, 1993.

LIMA, JOSEMARA SALLES. Pau Brasil: os diferentes significados dos discursos para a sua conservação nos séculos XIX e XX. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais, Agricultura e Sociedade) – CPDA – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

MACHADO, Marina. Almanak Laemmert. In: MOTTA, Márcia; GUIMARÃES, Elione (Orgs.). Propriedades em disputa: fontes para a história dos oitocentos. Guarapuava: Unicentro: Niterói, Eduff, 2011, p. 159-161.

MALHEIROS, Márcia. Homens da fronteira: índios e capuchinhos na ocupação dos Sertões do Leste do Paraíba ou Goytacazes – séculos XIII e XIX. Tese de Doutorado. Niterói: PPGH/UFF, 2008.

MARINHO, Isis. Processo de regionalização do Noroeste Fluminense. Revista Tamoios. São Gonçalo (RJ), ano 13, n.2, p. 78-93, jul.-dez. 2017.

MARRETTO, Rodrigo Marins. O opulento capitalista: café e escravidão na formação do patrimônio familiar do Barão de Nova Friburgo. (1829-1873). Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói (RJ), 2019.

MATTOS, Ilmar Rohloff. O Tempo Saquarema: a formação do Estado Imperial. Rio de Janeiro: Acess, 1999.

MAUAD, A. M. Imagem e autoimagem no Segundo Reinado. In: ALENCASTRO, Luiz Felipe de (Org.). História da vida privada no Brasil: Império, v.2. São Paulo: Companhia das Letras, 2011, p. 181-232.

MORETTO, Samira Peruchi; BRANDT, Marlon. Das pequenas produções à agroindústria: suinocultura e transformações na paisagem rural em Chapecó, SC. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v.11,n.26, jan.-abr. 2019, p. 229-254.

MURAT, Luciana; FISCHER, Georg. Escrevendo a História Ambiental da América Latina: processos de ocupação, exploração e apropriação da natureza (séculos XIX e XX). Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, v.46, n.1, jan.-abr. 2020, p. 1-5.

PENHA, Ana Lúcia Nunes. Tortuosos caminhos: obras públicas provinciais e o difícil escoamento das mercadorias de Cantagalo, Campos dos Goytacazes e Macaé para o Rio de Janeiro. In: MUAZE, Mariana; SALLES, Ricardo (Orgs..) O Vale do Paraíba e o Império do Brasil nos Quadros da Segunda Escravidão. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2015.

PEREIRA, Walter Luiz Carneiro de Mattos. Terras, escravos, açúcar, café, ferrovias e bancos em Campos dos Goytacazes: o rol dos negócios de Saturnino Braga, no século XIX. In: MUAZE, Mariana; SALLES, Ricardo (Orgs.) O Vale do Paraíba e o Império do Brasil nos Quadros da Segunda Escravidão. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2015.

SALLES, Ricardo. Café e escravidão. In: Schwartz, Lília Moritz; GOMES, Flávio dos Santos (Orgs.) Dicionário da Escravidão e Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

ALMANAK LAEMMERT. Edições de 1861-1888. Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_periodicos/almanak/almanak.htm.

BRASIL. Censo de 1872. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=225477>. Acesso em: 8 maio 2020.

BRASIL. Censo de 1890. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=225487>. Acesso em: 8 maio 2020.

BRASIL. Censo de 1900. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=225474>. Acesso em: 8 maio 2020.

BRASIL. Censo de 1920. Volume. IV (1ª parte. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=26461>. Acesso em: 8 maio 2020 Acesso em: 8 maio 2020.

BRASIL. Censo Agrícola de 1920, Volumes I, II e III. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=26456

BRASIL. Censo Agropecuário de 2017. Disponível em: https://Censos.ibge.gov.br/agro/2017/ >. Acesso em: 8 maio 2020.

IBGE. IBGE Cidades. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rj/cambuci>. Acesso em: 8 maio 2020.

IBGE. Produto Interno Bruto dos Municípios. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/contas-nacionais/9088-produto-interno-bruto-dos-municipios.html?=&t=o-que-e >. Acesso em: 8 maio 2020.

IBGE. Sistema IBGE de Recuperação Automática – Sidra. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/home/ >. Acesso em: 8 maio 2020.

Projeto MapBiomas – Coleção 4.1 da Série Anual de Mapas de Cobertura e Uso de Solo do Brasil, acessado em 16 de maio de 2020, através do link: https://mapbiomas.org/.

CAMBUCI. Câmara Municipal de. Lei Orgânica Municipal. Cambuci, 2009.

TAUNAY, Carlos Augusto. Manual do Agricultor Brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

Downloads

Publicado

2020-10-14

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)