Condições de moradias e contratos de trabalho na lavoura canavieira em Campos dos Goytacazes (1980-1989)

Autores

  • Filipe Moreira de Azeredo Tavares Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil https://orcid.org/0000-0003-4943-5585

Palavras-chave:

Campos dos Goytacazes, Lavoura Canavieira, Bóias-frias, Trabalhadores clandestinos

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar as condições de moradias e contratos de trabalho na lavoura canavieira em Campos dos Goytacazes, região norte fluminense do Rio de Janeiro entre 1980-1989. O período é marcado pela reorganização dos movimentos sociais, proporcionada pelo processo de redemocratização. Nesse período, tornaram-se mais visíveis no cenário público as reivindicações e paralisações dos canavieiros, tendo como pautas o fim da cobrança dos aluguéis, as melhorias nas condições de habitação, o cumprimento do Estatuto da Lavoura Canavieira, o fim das empreiteiras, o direito ao roçado, o pagamento em espécie, entre outros. Ao dialogar com os estudos existentes, somados à análise dos jornais impressos, concluímos que a exploração sofrida na região apresenta semelhanças com outros estados do país, sendo as condições de dominação constitutivas do trabalho do corte de cana de açúcar, com diferentes regras de moradia e contratação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Filipe Moreira de Azeredo Tavares, Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Mestrando no Programa de Pós Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (CPDA-UFRRJ), Rio de Janeiro, Brasil. Licenciado em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências

BRUNO, Regina. A humilhação como recurso de poder: empregadores e trabalhadores rurais escravizados no Brasil contemporâneo. In: LEITE, Sergio; BRUNO, Regina (orgs). O Rural Brasileiro na Perspectiva do Século XXI. Rio de Janeiro: Garamond Universitária, 2019.

ESTEVES, Benedita. O seringal e a constituição social do seringueiro. In: NEVES, Delma; SILVA, Maria Aparecida. Processos de constituição e reprodução do campesinato no Brasil - Formas tuteladas de condição camponesa, vol I. Editora Unesp, São Paulo, 2008.

GARCIA JUNIOR, Afrânio; HEREDIA, Beatriz; GARCIA, Marie. Campesinato e “plantation” no Nordeste. Anuário Antropológico, v. 3, n. 1, p. 267–287, 2018. Disponível em: <https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6059>. Acesso em: 03 agosto de 2021.

GUANAIS, Juliana Biondi. Pagamento por produção, intensificação do trabalho e superexploração na agroindústria canavieira brasileira. 1ª ed. São Paulo: Outras Expressões, 2018, 376p, ISBN 978-85-9482-024-2.

GUANAIS, Juliana. No eito da cana, a quadra é fechada: estratégias de dominação e resistência entre patrões e cortadores de cana em Cosmópolis/SP. Dissertação (mestrado), Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2010.

LUCCA, Tânia Regina de. História dos, nos e por meio de periódicos. In: PINKSY, Carla Bassanesi (Org.). Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2008.

MEDEIROS, Leonilde Servolo. História dos Movimentos Sociais no Campo. Rio de Janeiro: FASE, 1989. Disponível em: <http://www.nmspp.net.br/>. Acesso em: 1 de abril de 2021.

MENEZES, Marilda Aparecida; COVER, Maciel. Alojamentos de trabalhadores migrantes em usinas de cana de açúcar: espaço social de dominação e resistência. Iluminuras, Porto Alegre, v.13, n. 30, p. 85-103, jan./jun, 2012.

NEVES, Delma Pessanha. A Construção Do Futuro E a Redimensão Do Passado. Revista de História Regional, v. 2, n. 1, p. 115-142, 2007. Disponível em: . Acesso em: 29 de abril de 2021.

NEVES, Delma Pessanha. Do Imbé, novos horizontes: processo de construção de um assentamento rural. 1ª ed. Niterói: Intertexto, 2004, 160p., ISBN 85-87258-45-1

NEVES, Delma Pessanha. Lavradores e Pequenos Produtores de Cana – Estudos das formas de subordinação dos pequenos produtores agrícolas ao capital. 1ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981, 212p.

NEVES, Delma Pessanha. Assentamento rural: reforma agrária em migalhas - Estudo do processo de mudança da posição social de assalariados rurais para produtores agrícolas mercantis. Niterói, EDUFF, 1997, 411p.

NEVES, Delma Pessanha. Os fornecedores de canas e o Estado intervencionista: estudo do processo de constituição social dos fornecedores de cana. 1ª ed. Niterói: EDUFF, 1997, 367p, ISBN 85-228-0211-4.

NEVES, Delma Pessanha. Por trás dos verdes canaviais. 1ª edição. Niterói: EDUFF, 1989, 76p. ISBN 85-228-0075-8.

NOVAES, José Roberto. Indas e vindas: disparidades e conexões regionais - Um estudo sobre o trabalho temporário de nordestinos na safra de cana paulista. In: ALVES, Francisco; NOVAES, Jose Roberto (Orgs.). Migrantes - Trabalho e trabalhadores no Complexo Agroindustrial Canavieiro (os heróis do agronegócio brasileiro). São Carlos: EDUFSCAR, 2008, 314p.

PALMEIRA, Moacir. Desmobilização e conflito: relações entre trabalhadores e patrões na agroindústria pernambucana. In: FERNANDES Bernardo; MEDEIRO, Leonilde; PAULILO, Maria (Orgs.). Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas - O campesinato como sujeito político nas décadas de 1950 a 1980. São Paulo: Editora UNESP, 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 de abril de 2021.

PINTO, Antônio Carlos. Quem quebrou a casa de meu pai?. Rio de Janeiro: Editora Comunitá, 2004. ISBN 85-98111-02-3.

RIBEIRO, Ana Maria Motta. Passeio de beija-flor: a luta do sindicato pela garantia da representação dos canavieiros fluminenses - Um estudo da ação sindical no campo. 1987. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, RJ, 1987. (Tese Publicada na Internet). Disponível em: <https://fdocumentos.tips/document/passeio-de-beija-flor-a-luta-do-sindicato-passeio-de-beija-flor-a-luta-do.html>. Acesso em: 29 abril 2021.

SCOTT, J. C. La resistencia y el arte de los dominados. Ediciones Era, México, 2000.

SCOTT, James. Formas cotidianas da resistência camponesa. Raízes: Revista de Ciências Sociais e Econômicas, v. 21, n. 1, p. 10–31, 2002.

SETÚBAL, Mariana. Uma análise da permanência de formas de escravidão na agroindústria canavieria de Campos dos Goytacazes. In: ALVES, Francisco; NOVAES, Jose Roberto (Orgs.). Migrantes - Trabalho e trabalhadores no Complexo Agroindustrial Canavieiro (os heróis do agronegócio brasileiro). São Carlos: EDUFSCAR, 2008, 314p.

SIGAUD, Lygia. A nação dos homens: uma análise regional de ideologia. Anuário Antropológico, v. 78, n. 13, p. 13–114, 1978.

SILVA, Maria Aparecida. De colona a bóia-fria. In: DEL PRIORE, Mary. História das mulheres no Brasil. 7ª ed. São Paulo: Editora Contexto, 2004.

SILVA, Maria Aparecida. Errantes do Fim do Século. 1ª reimpressão. São Paulo: Fundação da Editora UNESP, 1999, 370p. ISBN 85-7139-214-5

SILVA, Maria Aparecida. Trabalho e trabalhadores na região do “mar de cana e do rio de álcool”. In: ALVES, Francisco; NOVAES, Jose Roberto (Orgs.). Migrantes - Trabalho e trabalhadores no Complexo Agroindustrial Canavieiro (os heróis do agronegócio brasileiro). São Carlos: EDUFSCAR, 2008, 314p.

SOARES, Felipe Vieira. O campo na luta por seus direitos: uma análise sobre a relação entre os trabalhadores rurais campistas e os direitos trabalhistas no Rio de Janeiro durante o período democrático (1945-1964). 2015. Dissertação (Mestrado), Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: <http://152.92.4.120:8080/handle/1/13612>. Acesso em: 29 de abril de 2021.

THOMPSON, Edward. P. Costumes em comum. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

TORRES, Vasconcelos. Condições de Vida do Trabalhador na Agroindústria do Açúcar. Rio de Janeiro: Editora do Instituto do Açúcar e do Álcool, 1945, v. 331, 290p.

XAVIER, Glauber; CHADUD, Reycilane. Casa, Trabalho e Gênero: O Cotidiano dos (as) “Bóias-Frias” pela Descrição do Visível. “Associativismo, profissões e políticas públicas – III Seminário Nacional de Trabalho e Gênero”, 2010. Disponível em: <https://strabalhoegenero.fcs.ufg.br/n/30712-casa-genero-e-trabalho-2010>. Acesso em: 03 de agosto de 2021.

WEBER, Max. Economia e Sociedade. Editora da UNB, Brasília, 1999.

Downloads

Publicado

30-11-2021