Análise econômica comparativa de diferentes canais de comercialização utilizados pela agricultura familiar

Autores

Palavras-chave:

Produção de frutas, Custos, Comercialização, Canais de comercialização, Lucratividade

Resumo

O objetivo deste artigo é avaliar comparativamente a economicidade de diferentes canais de comercialização utilizados no escoamento da produção de melancias de uma propriedade rural familiar. O local de pesquisa é uma propriedade localizada no município de Palmeira das Missões, noroeste do Rio Grande do Sul – BR. O método utilizado foi o estudo de caso, que consiste na apuração de custos da atividade produtiva, referente ao ano agrícola de 2018/2019. O canal mais lucrativo é o face a face (comercialização na propriedade), com a margem de contribuição unitária de 84%. A menor margem de contribuição unitária foi identificada no canal em que a melancia foi comercializada por meio de intermediários (63%). Entretanto, a inserção no mercado, por diferentes canais, consiste em uma estratégia para diminuição de riscos mercadológicos nas produções de alimentos perecíveis, e deve ser vista como complementares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Bueno Camara, Universidade Federal de Santa Maria, Palmeira das Missões, Brasil

Economista. Mestrado no Programa de Pós Graduação em Agronegócios na Universidade Federal de Santa Maria , Campus Palmeira das Missões, Rio Grande do Sul, Brasil.

Tanice Andreatta, Universidade Federal de Santa Maria, Palmeira das Missões, Brasil

Economista, Mestre e Doutora em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul . Professora Doutora no Curso de Ciências Econômicas e Programa de Pós Graduação em Agronegócios na Universidade Federal de Santa Maria - Campus Palmeira das Missões.

Jenaine de Azevedo, Universidade Federal de Santa Maria, Palmeira das Missões, Brasil

Mestranda do Programa de Pós Graduação em Agronegócios, Universidade Federal de Santa Maria, campus Palmeira das Missões (RS), Brasil.

Luciana Fagundes Christofari, Universidade Federal de Santa Maria, Palmeira das Missões, Brasil

Médica veterinária. Doutora em Zootecnia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora Doutora no Curso de Zootecnia e Programa de Pós Graduação em Agronegócios na Universidade Federal de Santa Maria – Campus Palmeira das Missões, Rio Grande do Sul, Brasil.

Marcos Antonio Bauer Casarin, Centro de Tecnologias Alternativas Populares (CETAP), Rio Grande do Sul, Brasil

Agrônomo pela Universidade Federal de Santa Maria, campus Frederico Westphalen. Assessor Técnico no Centro de Tecnologias Alternativas Populares (CETAP), Rio Grande do Sul, Brasil.

Referências

ALVES, M. N.; HORTA, P.M. DO V.; MAIA, H. de O. Melancia: consumo consciente de alimentos. Revista de Gastronomia, 1(1). 2019. Disponível em: https://seer.cesjf.br/index.php/revistadegastronomia/article/viewFile/1865/1205. Acesso em: 1 out. 2019.

ANDREATTA, T. et al. Diversificação produtiva no contexto das cadeias agroalimentares curtas como meio de reprodução social. X Congreso Alasru. Montevidéu, Uruguai. Anais. 2018. Disponível em: http://alasru2018.easyplanners.info/opc/tl/1015_tanice_andreatta.pdf.

BAUMAN, A.; MCFADDEN, D. T.; JABLONSKI, B. R. The financial performance implications of differential marketing strategies: Exploring farms that pursue local markets as a core competitive advantage. Agricultural and Resource Economics Review, v. 47, n. 3, p. 477-504. 2018.

BRASIL. LEI NO 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. 2003. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.831.htm>. Acesso: maio 2019.

BRANDÃO, J. B. et al. Os mercados de hortifrúti em Santa Maria (RS) – um estudo sobre os tipos de produtores e os canais de comercialização. Redes (St. Cruz Sul, On-line), v. 25, n. 2, p. 34-61, 2020.

BROWN, C. Consumers' Preferences for Locally Produced Food: A Study in Southeast Missouri, American Journal of Alternative Agriculture,v. 18, p. 213-24. 2003.

BROWN, C.; MILLER, S. The impacts of local markets: a review of research on farmers markets and community supported agriculture (CSA). American Journal of Agricultural Economics, v. 90, n. 5, p. 1298-1302. 2008.

CEPEA – CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA. Estatística melancia. 2019. Disponível em: https://www.hfbrasil.org.br/br/estatistica/melancia.aspx. Acesso em: 22 abr. 2019.

DAROLT, M. R.; LAMINE, C.; BRANDEMBURG, A. A diversidade dos circuitos curtos de alimentos ecológicos: ensinamentos do caso brasileiro e francês. Revista Agriculturas, v. 10, n. 2, p. 8-13. 2013.

DAROLT, M. R. Conexão ecológica: novas relações entre agricultores e consumidores. Iapar – Instituto Agronômico do Paraná, 2012.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social / Antônio Carlos Gil. 6. ed. São Paulo: Atlas. 2008.

GIUCA, S. Understanding the short chain. IN: Giarè, F.; Giuca, S. (Eds.) Farmers and short chain: legal profles and socio-economic dynamics. Roma: Inea, p.11-30. 2013.

FRANÇA, K. D. S. et al. Rendimento e produtividade da melancia (Citrullus lanatus) mediante o uso de adubos verdes. Cadernos de Agroecologia, 13(1). 2018.

HOFER E. et al. Gestão de custos aplicada ao agronegócio: culturas temporárias. Contabilidade Vista & Revista, 17(1), 29-46. 2009.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Agropecuário, 2017. Resultados definitivos. 2017. Disponível em: < https://censoagro2017.ibge.gov.br/templates/censo_agro/resultadosagro/agricultura.html?localidade=43&tema=78352>. Acesso em: nov. 2019.

LOW, S. A. et al. Trends in U.S. local and regional food systems, AP-068. Washington, DC: U.S. Department of Agriculture, Economic Research Service. 2015.

MALUF, R. S. Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ensaios FEE, v. 25, n. 1. 2004.

MARSDEN, T.; BANKS, J.; BRISTOW, G. Food supply chain approaches: exploring their role in rural development. Sociologia ruralis, v. 40, n. 4, p. 424-438. 2000.

MARTINS, E. Contabilidade de custos. 9. ed. São Paulo: Atlas. 2003.

MORRIS, C.; BULLER, H. The local food sector: a preliminary assessment of its form and impact in Gloucestershire. British Food Journal, v. 105, n. 8, p. 559-566. 2003.

OCHOA, C. Y. et al. The Potential Role of Short Food Supply Chains in Strengthening Periurban Agriculture in Spain: The Cases of Madri and Barcelona. Sustainability, 11(7), 1-19. 2019.

OLIVEIRA, L. M. de. PEREZ JR. J. H. Contabilidade de custos para não contadores. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

PARK, T.; MISHRA, A.K.; WOZNIAK, S.J. Do Farm Operators Benefit from Direct-to-Consumer Marketing Strategies? Agricultural Economics 45: 213-224. 2014.

PERONDI, M A.; RIBEIRO, E.M. As estratégias de reprodução de sitiantes no oeste de Minas Gerais e de colonos no sudoeste do Paraná. Organizações Rurais e Agroindustriais. V.2, n.2, jul.-dez. 2000.

PHILLIPS, J. C.; PETERSON, H. C. Strategic marketing decisions for organic agricultural producers. International Food and Agribusiness Management Review, v. 10, n. 1, p. 100-114. 2007.

PLOEG, J. D. V. D. Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização/ PLOEG, J. D. V. D.; PEREIRA, R. (Trad.) 1. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2008. 372 p.

PRINTEZIS, I.; GREBITUS, C. Marketing Channels for Local Food. Ecological Economics, v. 152, p. 161-171. 2018.

RENTING, H.; MARSDEN, T. K.; BANKS, J. Understanding alternative food networks: exploring the role of short food supply chains in rural development. Environment and Planning, v. 35, n. 3, p. 393-411. 2003.

RICHARDS, T. J. et al. Retail intermediation and local foods. American Journal of Agricultural Economics, v. 99, n. 3, p. 637-659. 2017. DOI: https://doi.org/10.1093/ajae/aaw115.

SCHNEIDER, S. Reflexões sobre diversidade e diversificação: Agricultura, formas familiarese desenvolvimento rural. Ruris, v. 4, n. 1. Março 2010.

SCHNEIDER, S. Mercados e Agricultura Familiar. In: MARQUES, F.C.; CONTERATO. M. A.; SCHNEIDER. S.; (Orgs.) Construção de mercados e agricultura familiar: desafios para o desenvolvimento rural. 1. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2016. cap. 4, p. 93-140.

TRIVETTE, S. A. The importance of food retailers: applying network analysis techniques to the study of local food systems. Agriculture and Human Values, v. 36, n. 1, p. 77-90. 2019.

WILKINSON, J. Mercados, redes e valores: o novo mundo da agricultura familiar. UFRGS, Porto Alegre. 2008.

WINTER, S. G. Understanding dynamic capabilities. Strategic Management Journal, v. 24, n. 10, p. 991-995. 2003.

Downloads

Publicado

2020-08-13