O camponês no olhar sociológico: de fadado ao desaparecimento à alternativa ao capitalismo

Autores

  • Cleber José Bosetti Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Palavras-chave:

camponês, capitalismo, Sociologia

Resumo

Este artigo analisa os olhares da ciência social sobre o camponês. Por um lado, o camponês foi destinado ao desaparecimento pela teoria marxista porque, com o desenvolvimento do capitalismo, esse tipo social se tornaria um proletário. Por outro lado, as abordagens contemporâneas da sociologia visualizam a presença do campesinato na agricultura das sociedades capitalistas desenvolvidas. Dessa forma, a compreensão do lugar do camponês na sociedade acaba sendo um exercício de reflexão teórico/metodológica da sociologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleber José Bosetti, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC.

Referências

ABRAMOVAY, R. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. 3ªed. São Paulo: EDUSP, 2007.

BOURDIEU, P. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BOURDIEU, P. et al.O ofício de sociólogo: metodologia da pesquisa em sociologia. Rio de Janeiro: Vozes, 2004(b).

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2002.

CARDOSO, C. F. Camponês, campesinato: questões acadêmicas, questões políticas. In: CHEVITARESE, André (org). O Campesinato na História. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

CHAYANOV, A. La organización de la unidad econômica campesina. Buenos Aires: Nueva Visión, 1974.

CHONCHOL, J. Sistemas agrários en América Latina: de la etapa prehispánica a la modernización conservadora. Santiago: Fondo de Cultura Económica, 1994.

GOODMAN, D.; SORJ, B; WILKINSON, J. Da lavoura às biotecnologias. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

GRAZIANO SILVA, J. A modernização dolorosa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1982.

GRAZIANO SILVA, J. A nova dinâmica da agricultura brasileira. Campinas: Unicamp, 1998.

HALAMSKA, M. Relações com a sociedade global. In LAMARCHE, H. (org). Agricultura familiar. Vol II. Campinas: Unicamp, 1998.

HOBSBAWM, E. História do marxismo: o marxismo na época da segunda internacional. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1984.

KAUTSKY, K. A questão agrária. São Paulo: Proposta Editorial, 1980.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemonia y estratégia socialista: hacia una radicalización de la democracia. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica. 1985.

LAMARCHE, H. (org.) A agricultura familiar vol I. Campinas: Unicamp, 1997.

LÊNIN, W. I. O desenvolvimento do capitalismo na Rússia. São Paulo; Nova Cultural, 1985.

MARTINS, J. de S. O cativeiro da terra. São Paulo: Contexto, 2010.

MARX, K. O 18 brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Centauro, 2003.

MARX, K. O capital: crítica à economia política. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 1991.

MENDRAS, H. La fin des paysant. Paris: Actes Sud, 1967.

MENDRAS, H. Sociedades camponesas. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

NAVARRO, Z. Nunca cruzaremos este rio a estranha associação entre o poder do atraso, a história lenta e a sociologia militante, e o o caso da reforma agrária no Brasil. In: XXXII Encontro anual da ANPOCS, Caxambu- MG: Mimeo, outubro de 2008.

PAULILO, M. I. Produtor e indústria: consensos e dissensos. Florianópolis: UFSC, 1990.

PLOEG, J. D. Van D. Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: URGS, 2008.

PLOEG, J. D. Van D. O modo de produção camponês revisitado. In: SCHNEIDER, S (org). A Diversidade da Agricultura Familiar. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

RICCI, R. A Maior Estrutura Sindical do Brasil: O Papel do Sindicalismo de Trabalhadores Rurais pós-1964. In: FERNANDES, B. M.; MEDEIROS, L. e PAULILO, M. I. Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas. Brasília: NEAD; São Paulo: UNESP, 2009.

SCHNEIDER, S. Teoria social, agricultura familiar e pluriatividade. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol 18, n. 51, Fevereiro de 2003.

SHANIN, T. A definição de camponês: conceituações e desconceituações, o velho e o novo em uma discussão marxista. In: Revista Nera, Ano 08, n. 07; Julho/dezembro de 2005.

SKINNER, Q. Meaning and understanding in the history of ideas. Cambrigde: Cambrigde University Press, 2003.

WANDERLEY, M. N. Agricultura familiar e campesinato: rupturas e continuidades. In: Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, outubro de 2003.

WANDERLEY, M. N. O mundo rural como espaço da vida: reflexões sobre a propriedade da terra, agricultura familiar e a ruralidade. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

WOLF, E. Sociedades camponesas. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

Downloads

Publicado

2015-03-08