Meios de comunicação utilizados e seus reflexos na adoção de tecnologias por integrantes da cadeia produtiva de arroz no Mato Grosso

Autores

  • Hélio Augusto de Magalhães Embrapa Arroz e Feijão, Santo Antônio de Goiás, Brasil

Palavras-chave:

processo da comunicação, transferência de tecnologia, desenvolvimento regional

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar meios de comunicação que são utilizados entre os diferentes segmentos da cadeia produtiva do arroz no Mato Grosso. Propõe-se a observar os fluxos de informação entre agricultores, organizações associativas, extensionistas e demais integrantes da cadeia do arroz do Mato Grosso. São descritos neste trabalho conceitos e práticas da comunicação pela ótica do relacionamento e a importância da pesquisa em comunicação como pré- requisito fundamental para a interação social e a geração de conhecimento tecnológico. Os resultados da pesquisa ilustraram satisfatoriamente essa técnica de pesquisa de campo. Observou-se nesta pesquisa que as inter-relações que são visualizadas entre os atores responsáveis por uma determinada cadeia produtiva possibilitam avaliar a forma de participação comunicativa de cada um desses agentes no conjunto de determinada cadeia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hélio Augusto de Magalhães, Embrapa Arroz e Feijão, Santo Antônio de Goiás, Brasil

Jornalista, Doutorando em Ciências da Comunicação - Universidade Nova de Lisboa. É analista em Comunicação da Embrapa Arroz e Feijão.

Referências

ABRAMOVAY, R. Bases para a formulação da política brasileira de desenvolvimento rural: agricultura familiar e desenvolvimento territorial. Brasília: IPEA. 1998.

ALSINA, M. R. La construcción de la noticia. Barcelona: Editora Paidós Comunicación, 1989.

ALVES, E. R. de A; CONTINI, E. A modernização da agricultura brasileira, apud. BRANDÃO, A. Os principais problemas da agricultura brasileira: análise e sugestões. Rio de Janeiro: IPEA/PNPE-18, 1992.

ARAÚJO, T. B. Por uma política nacional de desenvolvimento regional. Revista Econômica do Nordeste. Banco do Nordeste, vol.30 n.2 abr - jun de 1999.

BELLO, E. O. El ‘estado del arte’ en teoría de la comunicación: un ejercicio kuhniano. Intercom - Revista Brasileira de Ciências da Comunicação; Vol. 29, No 1, 2006.

BELTRAN, L. R. Adeus a Aristóteles: comunicação horizontal. Comunicação & Sociedade. São Bernardo do Campo: Instituto Metodista de Ensino Superior. a. 3, n. 6, p. 5-35, 1981

BELTRAN, L. R. El sistema y el processo de comunicación social en latinoamerica y sua relación con el desarrollo rural. Cuzco [s. ed.]. 1973.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes. 1995.

BERTALANFFY, L. Von. Teoria geral dos sistemas. 3ª ed. Petrópolis: Vozes. 1977.

BERTALANFFY, L. Von. A transferência de tecnologia e o pequeno agricultor. IICA/Brasil, Série Publicações Miscelâneas nº 213. 1980.

BORDENAVE, J. D. O que é comunicação rural. São Paulo: Ed. Brasiliense. 1983.

BRITO NETO, J. C. Teorias da comunicação: a construção do pensamento comunicacional. Goiânia: Faculdade de Comunicação e Biblioteconomia, UFG, 2008 (apostila).

CAMPANHOLA, C.; GRAZIANO DA SILVA, J. Diretrizes de políticas públicas para o novo rural brasileiro: incorporando a noção de desenvolvimento local. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente. 2000.

CASTRO, A. M. G.; COBBE, R. V; GOEDERT, W. J. Prospecção de demandas tecnológicas - Manual metodológico para o SNPA. Brasília: Embrapa-DPD. 1995.

CASTRO, A. M. G.; LIMA, S. M. V; CRISTO, C. M. P. Neves. Cadeia produtiva: marco conceitual para apoiar a prospecção tecnológica. In: Simpósio de gestão da inovação tecnológica, 2002, Salvador. Anais. Salvador: [s.n.]. 2002.

CHAPARRO, F. Conocimiento, aprendizaje y capital social como motor de desarollo. Instituto Brasileiro de Informação em Ciências e Tecnologia. Ciência da Informação, v. 30, nº 1, 2001.

COBBE, R. V. Agricultural knowledge; information systems: concepts and models. Madison: University of Wisconsin-Madinson, Department of Agricultural Journalism, (Bulletin, 45). Pós-doutorado, 1993.

DE LIMA, V. A. Repensando as teorias da comunicação: notas para um debate. In: MELO, J.M. Teoria e pesquisa em comunicação. São Paulo: Intercom: Cortez Editora, 1983 (p.85-99).

DUARTE, J. M. Comunicação e tecnologia na cadeia produtiva da soja em MT. Tese de doutorado. Universidade Metodista de São Paulo. 2004.

FAVARETO, A. Paradigmas do desenvolvimento rural em questão. São Paulo: Iglu Editora. 2007.

FILHO, C. M. Até que ponto, de fato, nos comunicamos? São Paulo: Editora Paulus. 1991.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação. Rio de Janeiro. Ed. Paz e Terra. 1983.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro. Ed. Paz e Terra, 1970.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas. 1995.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HOHLFELDT, A.; MARTINO, L. C.; FRANÇA, V. V. (org). Teorias da comunicação: conceitos, escolas e tendências. Rio de Janeiro: Editora Vozes , 3ª ed., 2001.

IANNI, O. A crise dos paradigmas na sociologia – problemas de explicação. ANPOCS, 1989. [On Line]Disponível em: <http://www.anpocs.org.br/portal/publicações/rbcs_00_13/rbcs12_05.htm>. Acesso em 27/01/2009.

IBGE. Produção Agrícola Municipal: culturas temporárias e permanentes.[On Line] Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br. Acesso em: 27 nov. 2007.

KUNSCH, M. Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. 4.ed. revisada, atualizada e ampliada. São Paulo: Summus, 2003.

LERNER, D. Comunicação e mudança nos países em desenvolvimento. São Paulo: Ed. Melhoramentos/EDUSP.1973.

LOPES, L. C. O culto às mídias: interpretação, cultura e contratos. São Carlos (SP): EDUFscar, 2004.

LUHMANN, N. Novos desenvolvimentos na teoria dos sistemas. In: NEVES, C. E. B. (org). Niklas Lumann: A nova teoria dos sistemas. Porto Alegre: EdUFRGS/Goethe, 1997.

LUHMANN, N. Sistemas sociales. lineamentos para uma teoría general. Barcelona: Anthropos; México: Universidade Iberoamericana; Santafé de Bogotá: CEJA. 1998.

MAGALHÃES, H. A. Comunicação e cidadania: movimentos sociais e democratização da comunicação. Monografia de especialização, Universidade Federal de Goiás. 2004.

MAGALHÃES, H. A. Comunicação e desenvolvimento: sistema de informação e conhecimento tecnológico da cadeia do arroz no MT. Dissertação, Faculdades Alves de Faria, 2009.

MARQUES DE MELO, J. Comunicação/incomunicação. São Paulo: Edições Loyola. 1976.

MARQUES DE MELO, J.Teorias da comunicação: Paradigmas Latino-americanos. São Paulo: Editora Vozes, 1998.

MATTELART, A.; MATTELART, M. História das teorias da comunicação. São Paulo: Edições Loyola. 1999.

MATTELART, A. Comunicação-mundo – história das ideias e das estratégias. Petrópolis: Editora Vozes. 1994.

MAZZI, A. P. R. Comunicação e desenvolvimento rural; da prática da persuasão à alternativa do diálogo. Rio de Janeiro: UFRJ. 1979.

MENDONÇA, A. F.; ROCHA, C. R. R.; NUNES, H. P. Trabalhos acadêmicos; planejamento, execução e avaliação. Goiânia: Faculdades Alves Faria. 2008.

OLIVEIRA, A. U. A fronteira amazônica mato-grossense: grilagem, corrupção e violência. São Paulo: USP – FFLCH. Tese de Livre Docência em Geografia. 1997.

OLIVEIRA, G. B. Uma discussão sobre o conceito de desenvolvimento. Revista FAE, Curitiba, v.5, n.2, maio/ago. 2002.

PEREIRA, B. D.; PESSOA, S. G. A modernização da agropecuária de Mato Grosso. Grupo de Trabalho: 7. UFMT, 1995. Disponível em: <http://www.alasru.org>. Acesso em 29/11/2007.

PETER, T. Tempos loucos organizações malucas. São Paulo, editora Harbra. 1995.

PIMENTEL, V. C. Assentamento é mais que um “projeto”: a assistência técnica nos assentamentos rurais. Dissertação, UFRRJ, 2007.

BUAINAIN, M. A.; DEDECCA, C. Projeto a nova cara da pobreza rural no Brasil: transformações, perfil e desafios para as políticas públicas. Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), Brasília, 2010.

RIVERS, W.; SCHRAMM, W. Responsabilidade na comunicação de massa. Rio de Janeiro: Bloch Editores, 1970.

ROGERS, E. M. Diffusion of innovations. 4th Ed.New York: Free Press. 1995.

RÖLING, N. G. The emergence of knowledge systems thinking: a changing perception of relationships among innovation, knowledge process and configuration. In: Knowledge and policy: the international journal of knowledge transfer and utilization. Spring: 1992 v. 5, n.1.

SANTAELLA, L. Comunicação e pesquisa: projetos para mestrado e doutorado. São Paulo: Hackers Editores, 2001.

SARACENO, E. O conceito de ruralidade: problemas de definição em escala europeia. Roma, Seminários INEA: desenvolvimento nas áreas rurais. 1996.

SEN, A. K. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras. 2008.

SHIKI, S. Sustentabilidade do sistema agroalimentar nos cerrados - Em busca de uma abordagem includente. Agricultura Sustentável, v. 2, n. 1, p. 17-30, 1995.

SHIVA, V. Monocultura da mente. São Paulo: Ed. Gaia. 2003.

SILVA, J. J. C. Pássaro-preto (Agelaius ruficapillus) na cultura do arroz irrigado no sul do Brasil. Pelotas: EMBRAPA/CPACT-Documentos, 38. 1999a.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. RS, Revista Sociologias, ano 8, nº 16, jul/dez 2006.

SOUZA, I. S. F. A sociedade, o cientista e o problema da pesquisa: o caso do setor público brasileiro. Brasília: Embrapa-SPI, 1993.

STOCKINGER, G. Sistemas sociais na contemporaneidade: acerca da teoria sociológica de Niklas Luhmann. Textos, UFBA, Facom.1999.

TORQUATO, G. Tratado de comunicação organizacional e política. São Paulo: Thomson Learning, 2002.

VIEIRA, R. de C. M. T. et. al. Cadeias produtivas no Brasil: análise da competitividade. Revista de Política Agrícola, Brasília, ano 10, p. 7-15, out./dez.2001.

Downloads

Publicado

2015-03-08